Contos Eróticos

bom essa page fika nas mãos da minha amiga fernanda.. bjs e boa sorte

obs:  não é recomendavel para menores de 18 anos..

meu cunhadinho

Meu nome é Ângela, sou morena clara, olhos verdes, 1,65m, 28anos, 58 kg muito bem distribuídos. Só quem é mulher sabe o quanto é difícil manter um corpo quase perfeito, porque, perfeito é impossível não é mesmo? São horas e horas de muito sofrimento em academias e de longas caminhadas, sem contar os regimes e outros truques para disfarçar novos defeitos que o tempo impiedosamente nos “presenteia”. Casei muito jovem com Carlos mesmo contra a vontade dos meus pais. Estava começando meu curso de medicina, tinha na época apenas 18 anos e Carlos 27. A construtora como de praxe não cumpriu o prazo de entrega do nosso apartamento, e por insistência da minha sogra fomos morar com ela até o término da obra, sabe como é mãe, não quer ficar longe das suas crias de jeito nenhum. Confesso que fiquei meio receosa no início, mas aos poucos percebi que dona Anna era uma pessoa maravilhosa. Morávamos na casa Eu, Carlos meu marido, Dinho meu cunhadinho adolescente e minha sogra, já que meu sogro era falecido. Meu marido e minha sogra saíam cedo pro trabalho e só voltavam à noite. Carlos trabalhava em uma multinacional e minha sogra na época tinha uma loja de artigos femininos em um shopping na cidade. Dinho e eu estudávamos à tarde, então ficávamos nós dois na casa no período da manhã, salvo duas vezes por semana que vinha uma diarista para fazer a limpeza mais pesada da casa. Dinho ao contrário do meu marido que era e continua sendo um gato até hoje, na época era um garoto magro, meio franzino, com o rosto cheio de espinhas, super tímido. Dinho era o patinho feio da família, mas era um amor de menino, sempre disposto a me ajudar em tudo que precisava, aliás, naquela casa eu era tratada por todos como uma princesa. Com o tempo fui percebendo que quando usava minissaia, ou uma camiseta mais cavada onde mostrava parte dos meus seios, ou até mesmo um short de lycra que ressaltava o relevo da minha bucetinha, Dinho sempre ficava me observando pelos cantos da casa.

Cansei de vê-lo tentando esconder o volume que formava sobre sua bermuda e depois disfarçadamente corria pro banheiro se aliviar numa punheta, coisa de meninos, confesso que me divertia com aquilo, e até gostava de ser sua musa inspiradora. Certo dia estava com uma minissaia bem curtinha e uma camisetinha regata um pouco folgada que peguei do meu marido, notei que meu cunhadinho da sala me cuidava disfarçadamente. Então para dar vazão as suas fantasias, fui até um canto da cozinha, enrolei minha calcinha e enterrei no meu reguinho deixando minha bundinha totalmente livre e parte da minha bucetinha, pois a calcinha entrou no meio separando-a em duas partes. Fingi não percebê-lo, me abaixei na pia da cozinha fazendo de conta que estava arrumando as panelas e empinei minha bundinha o máximo que pude para facilitar sua visão, fiquei um tempo naquela posição imaginando a cara do meu cunhadinho me vendo daquele jeito. Após algum tempo, me levantei sem olhar pra trás, dei alguns segundos para meu cunhadinho se recuperar e voltei pra sala. Meu cunhadinho estava pálido com as mãos sobre o pau tentando esconder sua ereção ainda não acreditando no que tinha visto, e para provocá-lo ainda mais, me ajoelhei na sua frente fingindo procurar umas revistas na mesa de centro e meus seios ficaram totalmente expostos ao seu olhar. Peguei uma revista e sentei no sofá fingindo que estava concentrada na leitura, mas só observando sua reação, não deu outra, meu cunhadinho disfarçadamente correu para a lavanderia que ficava numa edícula nos fundos da casa, dei um tempo, e sem fazer barulho fui expiar o que meu cunhadinho estava fazendo. Dinho pensando que eu estava na sala lendo, se descuidou um pouco e pude ver ele de costa se masturbando. Fiquei num canto da janela, mas de onde eu estava só dava pra ver seus movimentos, não sei por que, mas estava louca de curiosidade para ver seu pauzinho, a qual não foi minha surpresa quando ele se virou de lado e pude ver que de pauzinho não tinha nada, pois era bem maior e mais grosso que o do meu marido que media 16 cm.

Dinho se masturbava cheirando uma de minhas calcinhas que estava para lavar, derrepente Dinho se encolheu e vi várias golfadas de porra saindo do seu pênis enorme, confesso que não pensava que um menino raquítico como ele pudesse ter uma ferramenta tão grande. A partir deste dia, sempre que estava transando com meu marido pensava no pau do meu cunhadinho e gozava como louca. Sabendo que meu cunhadinho se acabava na punheta cheirando minhas calcinhas, resolvi provocá-lo ainda mais, e toda vez que ia tomar meu banho, antes, me masturbava e deixava minhas calcinhas bem molhadinhas pro meu cunhadinho cheirar e me homenagear. Estava louca de vontade de dar pro meu cunhadinho, mas isso não passava de uma fantasia, pois naquela época, nunca teria coragem de trair meu marido, e também não sabia qual seria a reação do menino se me oferecesse pra ele, portanto desisti desta idéia, mas sempre que fazia uma chupeta pro meu marido imaginava o pau do Dinho na minha boca. Com o tempo, fomos pegando intimidade e meu cunhadinho foi se soltando cada vez mais. Agora quando ia recolher as roupas para lavar, percebia que minhas calcinhas estavam meladas de porra no meio, o danadinho gozava e se limpava nelas. Certo dia quando entrei no banheiro, peguei no flagra meu cunhadinho se masturbando e cheirando uma das minhas calcinhas. Fingi estar indignada com aquilo e disse aos gritos. - O que é isso Dinho? - Imagine se seu irmão saiba o que você anda fazendo? - Pensa que não percebi minhas calcinhas todas gozadas quando vou lavá-las? – O que sua mãe vai fazer com você quando contar a ela suas peripécias?O pau do meu cunhadinho murchou na hora com o susto, notei que mesmo mole continuava grande. Meu cunhadinho trêmulo de cabeça abaixo, só balbuciava umas desculpas quase chorando de vergonha, pedindo pelo amor de Deus para que não contasse pra sua mãe e seu irmão. Acho que fui muito convincente na minha encenação, e pra acabar de vez com meu cunhadinho, fingi estar inconformada e chorando entrei no meu quarto batendo a porta com força. Dentro do meu quarto eu ria por dentro lembrando a cara do cunhadinho na hora do flagra. Deitei na minha cama afastei minha calcinha pro lado e comecei a me masturbar pensando na cena que tinha presenciado a pouco e gozei bem gostoso. Não demorou meu cunhadinho bateu na porta pedindo pra conversar comigo. Esfreguei as mãos nos meus olhos, fui até o espelho e vi que estavam bem vermelhos, abri a porta com uma cara de quem tinha chorado muito e disse: - O que você quer de mim? - Como você acha que estou sentindo vendo você se masturbar cheirando minhas calcinhas? È sobre isto que quero falar com você! Disse. – Me desculpe isto não vai mais acontecer, juro por Deus, por favor, não conte pro Carlos e nem pra mãe, eles vão me matar. Nesta hora percebi o quanto meu cunhadinho estava perturbado, então resolvi amenizar a situação, mas mantendo ele em minhas mãos.

Perguntei a ele: - Não é melhor você transar com sua namoradinha em vez de ficar se masturbando cheirando minhas calcinhas? - Eu nunca tive uma namorada, e mesmo que tivesse, seria muito difícil pra mim devido meu medo de não conseguir fazer direito, disse meu cunhadinho. - Então quer dizer que você ainda é virgem? Disse aparentando surpresa. - Você não vai rir de mim, vai? – Claro que não disse. - Eu nunca tive com uma mulher, não tenho muita sorte com as meninas, o que sei sobre sexo é o que vejo em revista e filmes pornôs, então quando você veio morar conosco, ao ver suas calcinhas no cesto de roupas sujas não resisti e comecei a bater punheta cheirando elas. - Você pensa em mim quando está se masturbando? Perguntei. Gaguejando meu cunhadinho disse que pensava sim, e pediu novamente pelo amor de Deus para não contar pro seu irmão. Me fez jurar que não contaria. Para ganhar novamente a confiança do meu cunhadinho disse: - Dinho, a partir de hoje esse vai ser nosso segredo, e se continuar bonzinho comigo, prometo que vou te ajudar a perder o medo de mulher, você só precisa ser confiante, pois material você tem de sobra, portanto, agora quero que continue o que estava fazendo quando entrei no banheiro. Meu cunhadinho vermelho de vergonha disse: - Agora? - Na sua frente? - Claro disse! – Não precisa ter vergonha de mim tá bom? Vai ser nosso segredo lembra?

Como meu cunhadinho estava travado de medo, disse: - Vou te ajudar, mais você não pode me tocar tá bom? Meu cunhadinho ficou sentado no pé da cama, subi até a cabeceira, sentei-me e abri minhas pernas ficando totalmente exposta ao olhar hipnotizado do Dinho que imaginava o que teria por baixo da minha calcinha. Ele fez uma cara de espanto quando a puxei de lado e pela primeira vez na vida ele via uma bucetinha tão de perto. Seu pau estava enorme dentro da bermuda, então pedi pra ele tirar pra fora e me acompanhar numa masturbação. Dinho abaixou a bermuda liberando aquele cacete de dar inveja a muitos homens formados. Meio tímido ele começou alisando seu pau, enquanto eu gozava com meus dedos atolados na minha bucetinha ao mesmo tempo em que via meu cunhadinho timidamente com aquele pau enorme se masturbando na minha frente. Quando gozei, retirei minha calcinha lentamente e enfiei parte dela na minha raxinha toda molhada, quando umedeceu, a tirei bem devagar e joguei pro meu cunhadinho que agarrou como um desesperado esfregando no nariz sentindo meu cheiro, e em poucos segundos, lavou minha cama de porra. Para sentir seu gosto, molhei os dedos na sua porra e levei a boca chupando até ficar limpinhos. Dinho mesmo tendo gozado continuava com o pau duríssimo apontando pra mim e me pediu: - Me deixa por meu pau pelo menos um pouquinho na sua bucetinha? - Não Dinho, você não pode por seu pau na minha bucetinha, seria uma traição com seu irmão, e além do mais, estamos sem preservativos, imagina se eu fico grávida? - Me deixa por na sua bundinha então! - Você está louco seu safadinho? Disse sorrindo. - Não agüento com o pau do seu irmão que é menor e mais fino, imagina agüentar essa tora no meu cuzinho? – E o que vou dizer pro seu irmão quando ele perceber que meu cu está todo arrombado?

- Se controle seu malandrinho tá bom? Confesso que tive vontade de dar minha bundinha pro meu cunhadinho, mas era uma missão impossível, pois todas as tentativas do seu irmão em comer meu cuzinho acabavam em desistência, pois sentia muita dor. Dinho continuava alisando seu pau com um olhar pidão na minha bucetinha, pois eu continuava sentada com as pernas escancarada na sua frente. Deu-me uma peninha dele, então resolvi ceder um pouco já que tinha chegado até ali. - Dinho você quer tocar na minha bucetinha? Perguntei. - Claro que sim, disse meu cunhadinho radiante de alegria. - Preste atenção, vai ser só esta vez tá bom? Meu cunhadinho parecia hipnotizado na minha bucetinha, começou a me tocar com a mão meio trêmula e foi apalpando até empalmar e apertá-la quase machucando. - Devagar, disse. - Se quiser agradar as mulheres tem que tratá-las com carinho. Peguei sua mão e guiei até meu grelinho e fui ensinando a massageá-lo, meu cunhadinho aprendeu rápido e quando ele enfiou os dedos na minha bucetinha e começou a me foder com a mão, não agüentei e tive meu primeiro orgasmo com meu cunhadinho me tocando. Dinho retirou seus dedos da minha buceta e levou a boca para sentir meu gosto, ele se deliciou tanto com meu néctar que resolvi ceder um pouco mais e perguntei: - Quer chupar minha bucetinha, quer? - Tudo que eu quero neste momento é chupar sua buceta Ângela. - Deixa vai, por favor! - Ta bom, então vem experimentar a primeira bucetinha da sua vida, vem! Disse já empurrando sua cabeça pro meio das minhas pernas. Meu cunhadinho neste momento não lembrava nada daquele menino tímido do começo do conto. Ele me chupava tão afoito que às vezes pensava que ia me virar aos avessos. - Vai com calma Dinho, lembra quando falei que mulher gosta com carinho? - Desculpe-me! Não vou me esquecer mais, prometo.

Agora bem mais calmo, meu cunhadinho me chupava maravilhosamente bem. Enfiava a língua bem fundo na minha bucetinha, e depois mordia carinhosamente meu grelinho, confesso que estava orgulhosa, pois ele estava se mostrando um ótimo aprendiz, e com certeza a partir daquele dia ia se tornar um excelente amante. Eu como uma boa professora, segurava sua cabeça e esfregava minha buceta na boca do cunhadinho que com competência me retribuía em forma de prazer. Sua língua deliciosa me levava à loucura, estava quebrando todas as barreiras que existia entre nós. Derrepente uma onda de calor começou a percorrer meu corpo como se tivesse recebendo uma descarga elétrica então comecei a gritar. - Não para Dinho! Eu vou gozar! Aiiiiii que delícia. Uuuiiiiiii!!!!! Puxei sua cabeça contra minha buceta e meu corpo não parava de tremer despejando uma cascata de líquido na boca do meu cunhadinho que sugou até a última gota do melhor orgasmo que tive até o momento na boca de um homem. Quando me recuperei, percebi que continuava prensando a cabeça do meu cunhadinho contra minha buceta, então o soltei e comecei acariciar sua cabeça e passando a mão por seu rosto meio assustado, mas ao mesmo tempo realizado e feliz por ter satisfeito uma mulher em sua primeira vez, e com um detalhe, sem haver penetração. Não tive muitos namorados antes de me casar com Carlos, mas nem um deles me fez gozar tão gostoso como meu cunhadinho, talvez seja pela forma que aconteceu, talvez seja pelo fruto proibido, só sei que foi maravilhoso pra mim. Puxei meu cunhadinho pra junto de mim abracei forte seu corpo franzino elogiando seu desempenho, dei um selinho carinhoso em seus lábios e disse que retribuiria da mesma forma o prazer que tinha me proporcionado. Deslizei-me até seus pés e quando abaixei sua bermuda, percebi que meu cunhadinho tinha gozado sem se tocar, mas seu pau continuava extremamente duro. - Você gozou enquanto chupava minha buceta safadinho? Disse sorrindo. - Gozei sim, pela primeira vez com uma mulher disse todo orgulhoso. - Então agora, vou fazer você gozar novamente tá bom? Peguei aquele pau enorme todo melado de porra e pus na boca sugando toda a porra que estava nele deixando limpinho. Comecei lambendo aquela cabeçorra que mal cabia na minha boca, achava desproporcional o tamanho daquele cacete para um garoto franzino como Dinho, a natureza realmente tinha sido generosa com ele naquele quesito. Meu cunhadinho gemia enquanto sugava seu pau. Brincava com minha língua naquela cabeçorra, depois engolia o quanto podia dando mordidinha no corpo daquele cacete. Engolia novamente ora brincando com seus testículos depois voltava pra cabeça novamente. Quando abocanhei seu pau o Maximo que pude, meu cunhadinho por instinto forçou a entrada do seu pau ainda mais na minha boca atingindo minha garganta, me engasguei e quase vomitei, então com uma mão segurei seu cacete enquanto chupava só a parte que sobrava controlando suas investidas. Descia com a língua até seu saco e chupava levemente. Colocava seus grãos na minha boca brincava um pouco e depois voltava chupando até chegar à cabeça e engolir novamente. Quando novamente abocanhei seu pau, e comecei a punhetá-lo, meu cunhadinho não agüentou e inundou minha boca de porra sem antes me avisar. Quando pensei que tinha acabado fui reclamar por não ter me avisado e fui surpreendido por mais uma golfada que atingiu meu rosto.

- Desculpe me disse meu cunhadinho: - Não deu tempo de avisar. Olhei pra ele com a cara e a boca cheio de porra. Abri a boca para mostrar a quantidade de porra que estava nela e engoli. Limpei com a mão um filete de porra que escorria pelo meu rosto, e levei até minha boca sugando-a deixando limpinha. Sorri pro meu cunhadinho dizendo que estava desculpado e voltei para limpar os vestígios de porra que restava no seu cacete. Estava louca de vontade sentir aquele pau dentro de mim, mas na minha cabeça, já tínhamos ido longe de mais. A partir desse dia Dinho era outra pessoa, não ficava mais escondidos pelos cantos me cuidando. Sempre que estávamos a sós em casa ele me confidenciava seus segredos. Algum tempo depois Dinho arranjou uma namoradinha no colégio e perdeu a virgindade com ela em um dia que foi fazer trabalho escolar na casa dela e os pais dela tinham saídos. Enquanto morei com minha sogra, sempre que estava carente, me consolava com a língua deliciosa do meu cunhadinho na minha bucetinha, depois retribuía com uma bela chupada naquela vara que me dava tanto prazer, mesmo sem nunca ter havido penetração entre nós. Quando nosso apartamento ficou pronto, confesso que senti falta das chupadas que meu cunhadinho me dava e das gozadas que enchia minha boca de porra. O tempo passou e meu cunhadinho se tornou um homem muito atraente, não lembrava quase nada daquele menino raquítico de tempo atrás. Dinho casou com Cristina, uma loira lindíssima. Meu marido o Carlos, vivia fazendo brincadeiras com ela. Pra mim eles tinham um caso, e eu remoia de ciúmes por dentro, então comecei a seduzir meu cunhado novamente, e desta vez nossos encontros só não rolava sexo anal porque ainda não agüentava seu pau no meu cuzinho, mas pro meu marido eu liberava de vez em quando.

Sempre que meu marido viajava a negócios, eu me encontrava com Dinho. No começo nos encontrávamos em motéis, mas com o tempo, passamos a nos encontrar em casa mesmo. Bastava meu marido viajar e Dinho inventava uma partida de futebol pra sua esposa e ia pra minha casa onde após uma chupada deliciosa, arrombava minha buceta com seu cacete enorme. Minha bucetinha já não era a mesma depois que comecei a dar pro Dinho, cada sessão de sexo com meu cunhadinho tinha que ficar pelo menos dois dias sem dar pro meu marido pra ele não desconfiar. Com o tempo fomos ficando descuidados até que um dia meu marido voltou de uma viagem antes do previsto e nos flagrou transando na nossa cama. Descobri da maneira mais cruel que meu marido até aquele momento nunca tinha tido um caso com minha concunhada a Cristina.

A Cliente

Bom...me chamo Roberto. Trabalho como taxista, e me considero bom no que faço. Pois tenho muitos clientes, um dia D.Maria me chamou por celular para buscar sua filhinha na rodoviária, Tita. Como ela a chamava. Eu lembro da Tita um doce criança com seus 12 anos um amor de garotinha. Chegando lá procurava Tita com aquela lembrança de criança, quando me espanto com um chamado: Roberto!!! Quando me virei me surpreendi....era Tita mas não aquela criança e sim uma mulher com seus 17 anos, cabelos longos e meio encaracolados, olhos castanhos, 1,70 de altura, quadril exuberante, sem falar numa bundinha maravilhosa e empinadinha, seios médios e pezinhos de princesa. cumprimentei-a e ela falou: Esta simpático como sempre. Bom me cuido, faço academia 4 vezes por semana, moreno, cabelos curtos, uso cavanhaque e 1,85 de altura. Peguei sua bagagem e fomos para o carro. Ela percebeu que o carro não era mais o mesmo e elogiou o novo que era de série de luxo e muito confortável. abrir a porta de traz quando ela falou que iria na frente como nos velhos tempos. Chegando na casa da mãe dela deixei-a e ela se despediu de mim com um beijo no cantinho da boca e falou: Te vejo depois! Fiquei sem ação. No outro dia o celular toca era Tita solicitando meus serviços para leva-la a praia com sua amigas. Chegando lá fiquei abismado em ver aquela mulher com uma canga de praia meio transparente. Chegando na praia desceram e Tita falou: Fica com agente! E eu disse: Não posso, tenho que trabalhar! Então ela retrucou : Fica comigo! Gelei na hora e fiquei sem resposta e ela sorriu me pedindo para busca-las as 17:00. Na volta ela veio na frente comigo e notei suas pernas com pelinhos loirinhos, meu pau na hora ficou duro. Ela percebeu, porque geralmente uso calça em sarja. Deixamos suas amigas e ela ficara por último no caminho de volta ela pede para comprar um sorvete. Paro numa dessas lojas de conveniências e ela volta com dois sorvetes, quando senta ele pede para ligar o ar condicionado e eu o fiz e fechando os vidros notei que a canga deixou as pernas descobertas mostrando um pouco da parte de baixo do biquíni, fiquei louco e suava. Ela notou e corou. Ao comer o sorvete, o mesmo caiu um pouco acima do seio e passei um papel toalha, sem pensar naquele ato, no local. Quando notei estava passando o papel pertinho do seu seio, quando ela falou você bom nisso, hein. Aquetei-me, ela falou não fique assim. Pois desde os meus 12 anos achei você um tipão de homem. falei que era bobagem dela e ela falou que era verdade e disse que ela tinha percebido que eu olhava para as pernas dela. Corei no ato e fiquei mais excitado ainda e parei o carro no final da praça antes da casa dela e falei a ela: Tita pare com isso, você está tirando minha paz ou você verá o que lhe acontece, para minha surpresa ela disse: Você não me controla. Então num ato de extremo tesão dei-lhe um beijo de tirar o fôlego e ela me empurrou e dizendo: Como você é bom nisso! e disse a ela você verá como sou mais. Coloquei o carro mais adiante no escuro e passei para o banco de traz e puxando ela e começamos um sarro louco, ela dava um gemidinhos. Aquilo me deixava mais doido de tesão. então tirei a parte superior do seu biquíni e chupei aqueles seios durinhos e bicudinhos, dava um mordidinhas e ela se arrepiava mais. Foi quando botei meu pau para fora e coloquei a mão de Tita no meu pau ela segurou e dizendo com estava quente e falei a ela: è de tesão por você! Ela se abaixou fazendo um boquete maravilhoso e passava a língua na cabeça do pênis, eu ficava louco e arrepiado. Tiramos nossa roupa, ali dentro do táxi e passei a passar a língua na bocetinha de Tita ela gemia tanto que ela mesmo colocou a mão na boca. Percebendo que estava excitada a pus de lado e comecei a penetra-la devagar, pois me pediu cuidado com ela. Pois só tinha tido um namorado até então. Sendo assim empurrando meu pau em Tita devagar ela se arrepiava toda e disse para mim: Me possua logo pois não agüento mais de tesão! Então comecei a comer Tita sem perdão e mordendo sua orelhinha. Tita já tinha gozada duas vezes e nossos corpos suados com aquele vai e vem. Quando pedi a ela para sentar em cima do meu pau, e ela concordou sentando. E começou a cavalgar que nem uma amazonas e lhe dando uns tapinhas na bunda, ela disse: assim que eu gosto! Foi quando comecei a passar ao dedinho no seu cuzinho ela disse que não pois insistir dizendo que eu gostava assim e deixei o dedo na bundinha dela e começava a empurrar só a pontinha do dedo foi quando perguntei a ela : Ta gostoso? Ela respondeu que sim. E falou que iria gozar de novo. Disse a ela: Goza para mim, goza no meu que gozarei nessa buceta maravilhosa. foi quando gozamos juntos num instante delirante de prazer. O nosso gozo demorou e ficamos olhando um para o outro. Nos vestimos, e o carro com aquele cheiro de sexo. Sorrimos com um brilho no olhar. Chegando na sua casa, a sua mãe disse: Minha filha estava preocupada com você, até essa hora na praia e as meninas? Ficaram em suas casa, disse Tita. Tita disse ainda: Mãe conheci um cara espetacular! Eu gelei na hora. E mãe dela disse que era bom que ele viesse na casa dela. Sua mãe agradeceu e pagou a corrida e Tita se despediu de mim com um ato sensual passando a língua nos seus lábios sem sua mãe olhar. E sair sorrindo e contente.


Transei Com Minha Irmã
Eu estava em casa Já era umas 3:00 horas da manha lendo alguns contos eróticos de incestos pois tenho muito tesão por minha irmã , e minha irmã realmente é um tesão bundinha empinada uns peitos muitos deliciosos com os seios muito gostosos, sei disso por que vejo minha irmã tomando banho direto ,então como estava dizendo ,lendo os contos fiquei muito excitado e decidi ver minha irmã dormindo ela deixa a porta do quarto aberto e quando fui lá para minha surpresa ela estava só de calcinha com o seio pra fora e dormindo de barriga pra cima, mas fiquei com muito medo de me aproximar pois se ela se acorda seria o fim da picada pois sempre respeitei minha irmã nunca nos olhamos de outra forma se não ser de Irmãos mas tudo isso foi maior que mim não agüentei e sentei na cama e coloquei a mão e seios comecei a passar a mão e comecei a chupar seus seios estava uma delicia e minha irmã continuou dormindo ai aproveitei pois ela estava com um sonho muito pesado ,ela estava com uma calcinha de renda toda enfiada em sua chaninha coloquei a calcinha dela de lado e abocanhei aquela bucetinha maravilhosa e comecei a chupar de verdade e para minha surpresa ela começou a gostar ela estava sonhando que estava sendo chupada de verdade e se comportou com se estivesse acordada .nesse momento pensei em comer minha irmã mas ela era virgem e ia doer muito e ai soltar muito sangue mais o meu tesão era tanto que não resisti abri a sua perna tirei sua calcinha e nesse momento ela acordou e ficou toda assustada mas disse para ela calar a boca e ficar quieta e fui colocando o meu pinto devagar e ela se contorcia toda na cama de dor mais foi gostando da idéia comecei a aumentar os ritmo ela gemia muito de dor teve uma hora que senti o hímen dela sendo rompido e na mesma hora saiu muito sangue meu pau ficou todo ensangüentado mas não parei de meter em minha irmã ate que gozei na cara dela e mandei ela chupar meu pau e ela com muito nojo começou a chupar foi maravilhoso não demorou muito e gozei de novo,, ai minha irmã se empolgou e estava curtindo a idéia ai ela me disse começou agora vai ter que terminar você vai ter que comer meu cú ,não pensei duas vezes peguei um creme de penetração lubrifiquei meu pau e coloquei ela de quatro, coloquei a pontinha do meu pênis e ela já começou a gemer de dor pedi para ela ficar quieta se não minha mãe poderia acordar coloquei a cara dela no travesseiro e fui fazendo força nossa quase que estouro meu pinto, mas com muito força cheguei até o talo ela tremia de dor gozei como nunca e ela adorou o nossa transa. Depois desse dia transamos direto quase todo dia.


A irmãzinha Dayane
Esta história que eu passo a narrar aconteceu no ano de 2001. Na época eu tinha 28 anos. Como eu sempre quis ter intimidade com minhas namoradas, me incomodava o fato de minha mãe sempre me incomodar quando eu estava com uma garota em meu quarto. Diante disto, resolvi comprar um terreno, construí uma edícula, e com o passar do tempo, aquele canto de intimidade passou a ser minha casa. Eu havia me convertido dois anos antes em uma igreja, e logo eu fui escalado para ser um líder de jovens. Entre eles havia uma menina que se chamava Dayane, nome fictício, que na época tinha de 13 a 14 anos. Uma menina que apesar de ser meio moleque, arteira, ela era muito prestativa, gostando sempre de me ajudar. Certa vez, ela foi a minha casa, e eu disse a ela que se os vizinhos a vissem em minha casa, iriam pensar que eu iria comer a xaninha dela. Ela riu e disse a mesma coisa que eu havia dito a ela. Então eu emendei e disse que os vizinhos iriam pensar que eu também iria comer a bundinha dela também e ela novamente repetiu. Como eu vi que ela estava gostando da conversa, mudei literalmente o linguajar e falei no bom e velho português que os vizinhos iriam pensar que eu iria comer sua buceta e seu cú. Como ela não se incomodou com aquele tipo de conversa, resolvi arriscar e chamei ela para perto de mim, e pedi para que ela deixasse eu ver passar a mão em sua buceta. Ela perguntou o porque, porém eu já fui lhe apalpando, sem nenhuma reação dela. Como ela deixava, fui abrindo o seu zíper.A princípio, ela tentou se esquivar, porém eu lhe disse que queria passar a mão em sua buceta e não apenas sobre a calça. Ela deixou, porém pediu-me que não lhe enfiasse o dedo. Estando de acordo, fui lhe abaixando a calça e o que eu vi jamais esquecerei. Sua buceta estava apenas começando a lhe nascer alguns pentelhos vermelhos. Disse a ela que a sua buceta de criança estava virando buceta de mulher. Comecei a esfregá-la sempre elogiando seu belo corpo, uma verdadeira paquitinha. Eu não resisti e puxei ela ao meu encontro e fui lhe chupando vorazmente. Ela pedia para eu parar pois ela dizia que sua xana estava fedida, o que na verdade era o perfume mais gostoso que eu já senti em toda a minha vida. Fui abaixando a sua calça até os pés e lhe pedi que ela subisse no sofá, para ficar na altura de meu rosto. Ela retirou os sapatos e enquanto ela ia tirando sua calça, me pediu que eu fechasse a porta de minha casa. Rapidamente eu fechei a porta e já fui partido para cima dela. Coloquei ela sentada sobre o encosto do sofá, abri suas pernas e por uns dez minutos fui o homem mais feliz do mundo. Enquanto a chupava me lembrei de sua bundinha. Virei- a de costas, abri-lhe a bunda e me deparei com o mais belo cú que eu já tinha visto. Novamente ela pediu para que eu não lhe enfiasse o dedo pois tinha medo de perder a virgindade. Extasiado diante daquele monumento juvenil fiquei apenas esfregando seu buraquinho rosa. Inebriado no tesão, comecei a chupar seu cú. Como ela estava com a bunda arrebitada, passava-lhe a língua da buceta até o cú. Então tirei o meu pinto para fora e lhe pedi para ela chupar.Ela só quis me punhetar. Então me sentei no sofá ao lado dela, e ela pegou o meu pau. Foi tocando uma punhetinha como se já tivesse prática, pois disse que tinha medo de eu gozar nela. Então levantei sua blusa , pus seus peitos para fora e comecei a apertá-los. Não mamei neles naquele dia, talvez por ela ainda não tê-los, o que eu me arrependo até hoje, pois eles cresceram e se tornaram a coisa mais linda do mundo. Deitei-a sobre mim, esfregando meu pinto neles e fui passando a mão em sua bunda. Em um dado momento, não resisti e enfiei um dedo em seu cú. Ela gritou para eu parar. Pedi que me deixasse apenas esfregar o meu pinto em sua buceta e no seu cú. Ela disse que tinha medo de eu molhá-la com o meu suco, porém eu a tranqüilizei-a dizendo que a limparia com uma toalha, que durante algum tempo foi o meu troféu de boas lembranças. Ela concordou, e fomos ao meu quarto. Deitei-a com as pernas abertas, ficando ela na posição frango assado. Enquanto eu esfregava, pensava comigo. "Como pode esta menina estar fazendo tudo isto comigo e ainda balançar a bandeira da virgindade". " Se eu não comer ela agora, outro vai comê-la". Tomado de um ímpeto, encaixei o meu pinto em sua entrada, peguei-a pelos cotovelos, dei-lhe uma estocada, firme e forte, que só vi os olhos dela se arregalando para mim, como se quisesse dizer alguma coisa, mas já era tarde. Disse a ela que aquilo que estávamos fazendo ia ser um segredo, que não contaria para ninguém, e não contei, e não conto nem vou contar. Juro. Promessa feita, continuei a minha investida. Lembro de ela dizer que eu era louco de comer uma menininha, e não uma mulher. Deitei sobre ela e fiquei fudendo ela que permanecia estática. Então virei ela por cima de mim e comecei a bombá-la do jeito que eu gosto, com seus cabelos lisos sobre mim. Infelizmente, por falta de prática, ela pediu quase chorando que eu parasse com aquela posição.Ela pediu que fosse de quatro. Coloquei-a de quatro, então ela se abaixou, empinando sua bunda, uma posição também gostosa, mas que muitas mulheres reclamam devido as trombadas serem muito fortes. Naquela posição, é claro, seu cú ficou na reta, só aguardando a vez. Enquanto lhe fudia na xana, ficava só olhando seu buraquinho rosé. Porém o tesão já era tanto que eu já estava gozando. Só foi o tempo de tirar o pau de dentro dela e já fui gozando em suas costas e era tanta porra que eu não acreditava. En tão eu peguei um pouco de porra com o dedo e enfiei em seu cú sem que ela percebesse ou não tenha ligado. Terminado a transa, ela foi ao chuveiro, tomou um banho. Antes de ela ir embora, fascinado com sua beleza e seu corpo maravilhoso, pedi-a em namoro. Ela prometeu pensar, porém ela nunca mais veio a minha casa. Sempre que nós nos encontramos, relembramos este fato, porém nunca mais repetimos a dose. Mas a esperança continua.



(ideia de nosso fã Mauri Carrasco.. uma nova ideia.. espero que vocês gostem..)


Fodendo com gatinho que conheci na net.  ( Danny Pimenta)



Ninfeta fodendo gostoso com coroa (Danny Pimenta)


Fudendo gostoso com desconhecido ( Danny Pimenta)



minha priminha. (conto lésbico)

Tudo começou quando tinhamos 17anos,na época eu era casada e meu marido teve que viajar cm meus sogros e passaram 15dias fora e eu fiquei sozinha em ksa. Devido eu ter que fikr em ksa só,resolvi pagar a minha prima pra dormir todas as noites em ksa..pra me fazer companhia.Ele se chama alessandra mas conhecida como lêlê,morena,alta,esbelta,seios fartos e bumbum arrebitado. Liguei D manhã pra lêlê e ela aceitou ser paga pra dormir todas as noites em ksa comigo.A noite quando ela chegou,sugeria a ele que saissemos pra beber em um bar em frente d ksa,bebemos,fumamos,dançamos e nas altas horas da madrugada fomos pra ksa. Chegando em ksa fui logo tomar um banho,assim q sai,lêlê foi tomar o seu banho. Fui pro meu quarto,peguei uma camisola e a vesti sem calcinha mesmo,minha prima saiu do banho ja vestida com um baby dool provocante e me perguntou -onde vou dormir? E eu disse: -Dorme no quarto da minha sogra,ou se quizer dorme aqui comigo...Ela de imediato aceitou dormir comigo,pois disse que tinha medo de dormor sozinha(ja que moravamos num bairro muito perigoso). Nos deitamos e começamos a conversar falamos sobre varias coisas festas,amigos,namorados,transas e etc..Foi quando eu me pediu pra ligar a Tv e ver o que estava passando e naquela epoca tinhamos assinado um contrato com uma tv e cabo e havia vários canais de séries,desenhos,gospel,fimes e cine pornô. Foi quando ela olhou pra mim e perguntou se tinha algum canal pornografico e eu disse que sim e indiquei o canal,ela entrou no canal e logo d cara uma cena deliciosa de uma linda mulher se masturbando. Ela olhou pra mim riu e perguntou: -Se incomoda?? E eu respondi:Ñ!pode ficar a vontade.Na verdade sempre fui amante do sexo,e sempre assistia os filmes q passava na TV,e naquela noite fazia exatamente 7 dias que ñ fazia sexo e ver aquelas cenas daquela linda mulher se masturbando,me deixou molhada e com vontade d gozar. Enquanto minha prima assistia o filme eu acabei cochilando.Devido a bebida que tinhamos bebido,passou se algum minutos ñ mais do que de repente eu senti algo úmido e quente percorrendo o meu grelinho,meia sonolenta começei a sentir uma sensação gostosa e muito prazerosa..acabei acordando e quando olhei minha prima estava com a boca toda em cima da minha xana,na hora pensei em parar com aquilo,mas sua lingua era macia,quente e estava cada vez mais explorando a minha xan que aquela altura ja estava toda melada. Comecei a gemer como uma louca e quando eu estava quase gozando ela veio em direção a minha boca e fala bem baixinho: Gostou da chupada na sua bucetinha? E eu respondi:Adorei!Mas ñ era pra ter parado,eu ja ia gozar na tua bok.E ela me respondeu:Calma..temos a noite toda e mais 14 dias pela frente,relaxa. Lêlê começou a beijar minha bok e ao mesmo tempo começou a meter os seus dedos na minha xana,eu gemia d+ e ficava cada vez mais melada d tanto gozo,foi quando vi uma cena muito gostosa ela começou a bombar a minha xana cm os seus e depois meteu...Os seus dedos totalmente melados com o meu gozo na sua bok e começou a chupar como se fosse uma pica.. E disse:Cono é gostoso o gosto da sua buceta..quero me lambusar nela. Eu ja totalmente envolvida naquela loucura falei: Então aproveita!Estou ha dias sem dar essa buceta e ela ta louca pra gozar,faz dela o que vc quizer e me mostre o quanto é bom uma experiencia lésbicas,pois vc é primwira mulher q vou pra cama.E ela mais safada do que nunca me respondeu: Claro priminha!!Vou te mostrar o quanto é bom uma experiencia assim..agora tira essa comisola e fica d4 pra mim,quero chupar o seu cuzinho.E eu imediatamente obedeci,tirei minha camisola e fique d4 ela também ficou nua..e que linda mulher. Fiquei D4 e senti sua língua no mu cuzinho..huuumm como foi gostoso,ñ resisti e comecei a pedir: Chupa esse cú chupa,chupa minha priminha gostosa,e faz gozar vai. Ela começou a chupar cada vez mais e gemia feito louca,os gemidos começaram a ser mais intensos: -isso chupa..chupa esse cu vai..haaaa..haaa...Chupa que vou gozar..haaaaaa...huuuuummm...haaaa que gostoso.Lêlê de imediato começou a chupar minha xana,pra engolir todo meu gozo: Huuuum que gozo gostoso,gostou né de gozar com eu chupando teu cuzinho..vc é deliciosa minha prima!!Me recompus e agora era a minha vez de usar a minha priminha,começei a beijar boca dela enquanto tocava na sua bucetinha que estava toda molhada. Pedi pra ela deitar e comecei a chupar os seus peitoes,ela se contorcia de tanto tesão: Isso chupa esses peitoes chupa amor.Fui descendo até chegar na sua xana..huuummm...e que xaninha gostosa,cheirosa e com um gosto muito bom. Comecei a passar a língua envolta dela enquanto tocava na minha bucetinha,ela gemia demais e pedia pra mim roçar a minha xana na dela,eu de imediato entrelaçei as minhas pernas na dela e começamos um roça-roça gostoso. A bucetinha dela esava quente e bem molhada,começamos a esfregar cada vez mais as nossa xanas e ela dizia: Isso esfrega essa xana na minha vai..haaaa..esfrega..huuuumm...eu vou...Eu vou gozar..haaaaaaa...huuuummmmm...isso esfrega que to gizando gostoso..haaaaaa. Eu fiquei louca com aquela cena e queria mais..meu fogo era demais,foi quando ela perguntou se eu tinha um vibrador e eu disse que ñ. De repente ela saiu da kma e começou a procurar algo que desse pra introduzir na minha xana. Foi quando ela abriu meu guarda-roupa e viu um frasco de desodorante ro-lon, frasco era roliço e dava pra entrar cm facilidade. Ela veio em minha direção e disse:Vamos brincar cm isso agora,mas primeiro deixa eu chupar essa buceta pra deixar ela bem melada e depois meter esse nosso "amiguinho"aqui. E começou a chupar minha buceta novamente,fiquei encantada com a sua língua que era muito quente..huuuummmm...chupa essa buceta vai...haaaaa..chupa bem gostoso ela,deixa ela bem molhada sua puta. Foi quando minha priminha veio em direção a minha boca e começou me beijar,metendo os seus 3dedinhos na minha buceta encharcada..e nesse momento ela começou a meter bem devagar o nosso "amiguinho" ro-lo..Ela começou a meter bem gostoso na minh xana e acabei gozando outra vez bem gostoso. Depois fomos tomar um banho e continuamos a brincar debaixo do chuveiro,depois dessa noite houve mais 14dias de pura safadez e e nunca irei esqueçer minha primeira experiencia cm outra mulher.


A Virgem Safadinha Oii, meu nome é Luana, agora tenho 15 anos, mais a história aconteceu quando eu tinha apenas 13 anos. Desde nova eu já estava namorando em casa, meu namorado se chamava Gabriel. Mais por sinal, eu não gostava muito dele. Eu comentava com ele sobre a nossa primeira vez, mais ele não era tão empolgado como eu no assunto. E eu que tinha um corpão de mulher, e ainda virgem, não via a hora de dar Minha xana. Cheguei a comentar isso com minha colega, e ela tinha me falado que o primo dela era muito afim de conhecer. Ele tinha 19 anos. Falei para ela que eu gostaria muito de conhecer ele... Até depois um tempo, conseguimos marcar de nos encontrar (Mais tudo tinha que ser escondido, porque eu tinha namorado, e ele sabia disso). Fui até o lugar combinado, e saímos de carro. Ficamos conversando em uma lanchonete de outra cidade, Depois de um bom tempo de conversa, começamos a nos beijar... Saímos novamente e fomos para um lugar mais isolado. Dentro do carro, ele começou me beijar, fazer caricias. De repente foi me subindo um tesão imenso, e ele percebia só de olhar na minha cara, foi ai q ele começou a chupar meus peitos, e eu louca de tesão desabotoei sua calça e peguei na rola q já estava dura, comecei a masturbá-lo. Ele levantou meu vestido e começou a lamber minha xana q já estava toda molhadinha de tanto tesão, e eu gemia, e fazia uma cara de safada pra ele... Eu sempre tive muita vontade de fazer uma chupeta, e não demorou muito pra ele me pedir pra chupar sua rola. Fui com maior gosto, e comecei chupar aquela delicia, parecia q eu estava até com fome, do jeito q eu o chupava, e ele também dava vários gemidos... Ele tinha me perguntado se eu queria ir pra um motel, mais eu queria q fosse ali dentro do carro, pra ser uma coisa bem mais interessante. Então continuamos ali mesmo. Ele voltou a lamber minha xana. Não estava mais agüentando ficar só naquilo... Eu me levantei e me sentei em cima dele, coloquei levemente sua rola enorme eu minha xana, no q não doeu muito, foi uma sensação maravilhosa, comecei a cavalgar naquele cacete, e eu gemia mais não parava... Pedi para que ele me desse tapas no meu bumbum (um lindo bumbum com 102cm), e cada vez os tapas iam ficando mais fortes no q me dava muito mais tesão. Foi ai q ele me disse q ia gozar, deixei ele gozar dentro de mim, no que tudo aquilo foi uma delicia. Hoje estamos namorando, e ele realiza todos as minhas fantasias... Finalmente consegui arranjar o namorado perfeito! Espero que tenham gostado da minha primeira vez!



O Barman



    • Olá, somos o casal geral (Marcelo e Márcia  de Campo Grande MS; vou relatar mais uma de nossas deliciosas loucuras. Adoramos sexo, e podemos dizer que já realizamos muitas fantasias.

Uma destas aconteceu em uma casa de Swing para casais aqui em Campo Grande MS, sempre vamos a esta casa, pois o Marcelo é PROMOTER lá. Neste dia a casa estava lotada, era dia de festa a fantasia, eu escolhi me fantasiar de Bombeira e estava em um fogo danado por sexo, já o Marcelo estava de Don Juan (confesso que ele ficou lindo).

No bar estava um BARMAN (Lucas), uma cara super gostoso que é Bí total. Percebi que ele não parava de olhar para mim e para o Marcelo. Os olhares de Lucas em nossa direção eram tão penetrantes que comecei a me esfregar sensualmente no gostoso do meu marido.

Vi que Lucas estava louco de tesão, mas não podia sair dali no momento. Marcelo e Eu fomos para a pista de dança, ficamos um pouco lá e fomos ver o que estava rolando nos quartos. Entramos em um destes e vimos que o bicho estava pegando fogo mesmo. Sentíamos o cheiro de porra no ar, comecei a chupar a vara do meu marido tarado e claro que também a de outros caras taradões. Nossa, como Eu queria vara dura bem dentro da minha bocetinha quente.

Fiquei de quatro pro meu Marcelo e dei de cara com o Lucas (barman) fudendo uma cadela no cio assim como Eu. Falei para o Marcelo... "Quero a pica dele amor", e Ele me disse... "vamos sair daqui", pois se ele estiver a fim mesmo, vai vir atras de nos dois. Foi justamente isso que aconteceu... Ele veio na nossa cola. Quando passamos perto de uma cabine, Lucas me empurrou para dentro dela. Eu estava de mãos dadas com o Marcelo e o puxei entrando os três na pequena cabine.

Lucas me pegou pelos cabelos e me beijou falando... "quero tua bocetinha na minha pica e depois quero pica do teu macho no meu rabinho guloso e louco por vara". Eu que ja estava louca de tesão por varas, fui as nuvens ouvindo o Barman dizer tudo isso.

Lucas meteu tão forte na minha boceta que eu gozei na hora naquela pica grande, grossa e gostosa. Meu marido via o Lucas tarado e viadinho meter em mim e dizia... "Não era isso que queria, a vara dele dentro de você sua cadela safada" ?

Dá gostoso esta boceta, eu to mandando... Lucas veio ao meu ouvido e disse: Quero gozar com minha pica na sua boceta e com o pau do teu marido bem dentro do meu cuzinho puta safada. Ele foi indo de ré até o Marcelo que já o esperava de vara dura na mão e sentado no sofá se tocando deliciosamente.

Ele pegou na vara dura e gostosa do Marcelo e direcionou até o seu cuzinho guloso, e quando sentiu que a cabeça da vara estava na sua entradinha, sentou de uma so vez soltando um gritinho de dor e prazer. Ele dizia: que pica gostosa tem o seu maridinho cadela gostosa.

Me dá a sua boceta que eu quero derramar dentro dela enquanto eu tenho a vera do teu macho dentro do meu cú guloso. Deixei ele meter a vara de novo na minha boceta, enquanto ele gritava para o Marcelo "come meu cu gostoso" que eu to na boceta da tua mulherzinha safada, gostosa e vadia.

Ele rebolava na pica do meu maridinho e me puxava para a sua vara, metendo com a mesma força que levava no seu cuzinho guloso e ele nos avisou que iria gozar... Foi tanta porra que escorria da camisinha. Lucas se levantou da pica do meu marido e me deu um delicioso beijo. Depois virou para a pica do Marcelo e a chupou, limpando ela todinha que estava super dura e foi embora.

Eu e Marcelo ficamos ali nos amando mais um pouquinho com a deliciosa sensação de mais uma fantasia realizada.




Nos escrevam contando suas realizações e fantasias...


Marcelo e Márcia

ZOOFILIA EM CAMPO GRANDE MS


Somos um casal Bí (eu Marcelo - 41 e ela Marcia - 34), e adoramos Zoofilia... Moramos em Campo Grande MS e temos um Dog alemão enorme com uma vara muito grande e grossa, uns 24 x 6 cm. So sei dizer que quando estamos com muito tesão eu e ela, ele nos nota mais e mais, ficando afoito e ja com a vara pra fora... Daí não resistimos e começamos a nos tocar os três, pois é muito bom ter uma vara que não seja de Homem e sim de Animal so para nós dois...

Caimos de boca os dois naquela vara dura feito ferro, para depois ele nos comer forte e com muita furia. Adoramos isso, so que aqui em CGMS não sabemos de pessoas que curtam isso tambem, para que possamos fazer todos juntos e formar um grupo para a Zoo em MS.

Passerei à vocês o que aconteceu em um sábado de muita chuva e frio, estavamos eu e Marcia na sala vesdo um filme e de repente aparece o TOR (nosso Dog). Ele estava quieto e triste, ficamos ate preoculpados com essa conduta dele, pois é sempre brincalhão... Até que ele vei perto de nós que estavamos cobertos por um idredom quentinho e nos cheirou querendo adentrar por debaixo para ficar conosco ali também, e deixamos. Só que estavamos nús e ele foi logo cheirando a bocetinha da Marcia e tratou logo de por a varona para fora, querendo montar nela. Marcia que já estava me tocando bem antes dele aparecer, passou a tocar na vara dele que rapido como um raio ficou dura para a loucura da minha esposa cadelinha.

Ela falou para mim que estava louca de tesão para ter ele dentro dela, e assim o fez. Ficou de quatro e eu para não perder nada do ocorrido, fui amaciar aquela volupia de vara. Passei a chupar gostoso, e quando já estava mais que dura encaminheia ate a boceta gulosa de minha tarada esposa que foi invadida com muita força. Eu massageava as bolas de Tor até que ele gozasse muito mesmo dentro dela, e logo escutei ela me falando que estava engatada com ele, pois estava sentindo o nó do seu pau a segurando. Eu enlouqueci de tesão, e esperamos uns 15 minutos para que isso voltasse ao normal. Então ela me disse bem assim: AGORA É TUA VEZ AMOR, QUERO VE-LO DENTRO DE VOCÊ TAMBEM..., e mais que rapido eu fiquei de quatro e ela o encaminhou para meu cuzinho que tambem o queria no engate.

Foi delicioso mais uma vez, pois foi perfeito nosso gozo a três, ele em mim e eu nela... Depois que tudo se acalmou, voltamos ao filme que estavamos vendo.

Entrem em contato conosco pessoal de Campo Grande MS e todo o Brasil para que possamos trocar ideias e cumplicidades.

Marcelo e Marcia.


FAZENDO ARTE

conto enviado por Mauri Carrasco 

Certo dia, eu e Mariana estávamos nos beijando atrás do muro da quadra de esportes. Estávamos juntos fazia pouco mais de um mês. Aqueles selinhos singelos e beijos rápidos que eram comuns no começo de nossas ficadas já eram lembranças distantes. O intervalo de 15 minutos já não era suficiente para aplacar nossa vontade de ficarmos nos beijando.
Por isso, quando ouvimos tocar o sinal indicando que devíamos parar, a rebeldia tomou conta de nós. Tínhamos certeza que aquela ordem deveria ser desrespeitada. Não queríamos por nada voltar à rotina da sala de aula. Até porque a próxima aula era de matemática…
Como um artista nato, era natural que a professora de Educação Artística fosse a minha favorita. Claro que ela ser a mais jovem e bonita professora da escola ajudava muito também, apenas 10 anos mais velha do que eu. Eu secretamente a desejava por essas e outras razões. Mas ser tão próximo dela me garatia vantagens. Uma delas era ter o conhecimento de que a sala de Educação Artística ficaria vazia pelas próximas duas aulas.
Resolvi ousar e fazer uma proposta para Mariana, de ir até aquela sala vazia e aproveitarmos o tempo para continuarmos nossos beijos. Os olhinhos dela ficaram inquietos ao ouvir minha proposta, mas a boca semi-aberta e a respiração intensa a denunciavam, e logo ela aceitou realizar meu plano maligno.
Mas antes, eu precisava da chave da sala! Como a sala dos professores ficava no mesmo prédio da biblioteca, o acesso a ela não era difícil, e eu saberia inventar qualquer desculpa caso fosse pego. Fingi caminhar até a biblioteca cuja porta ficava no fundo do corredor, e parei 3 portas antes. Era a porta da sala dos professores, que abri cuidadosamente porém com rapidez. Peguei sorrateiramente a chave e fui me encontrar de volta com a Mariana, que me esperava agachada atrás do muro da quadra de esportes.
Com cuidado contornamos o prédio central da escola até chegar na sala, que ficava convenientemente (para nós) na ponta do pavilhão, longe de olhares estranhos. Abri a porta, e depois de entramos a fechei, já sorrindo e satisfeito do meu plano estar correndo muito bem. Quando me viro, eis que vejo Mariana já sentada na mesa da professora, com as costas arquedas para trás e as pernas abertas. Era uma cena espetacular. Aquela menininha angelical agora tinha se transformado num anjo de luxúria, sussurando em tom de imploração que eu fosse até ela para saciá-la…
Finalmente estávamos nós dois, ali, totalmente sozinhos, longe dos olhares sempre presentes de nossos familiares. Tínhamos poucos mais de uma hora para tiramos o atraso de um mês de amassos contidos. Tão logo estava próximo dela, Mariana envolve suas pernas em minha cintura e me puxa para si. Eu a beijo segurando em sua nuca, com nossas línguas como que em pura eletricidade duelando para ver quem excita mais o outro.
Um beijo tão intenso que nos fazer parar por um instante para respirarmos fundo e recuperamos nosso fôlego. Eu já estava por demais excitado e meu pau já estava doendo por estar preso, e rapidamente tirei o cinto, abaixei as calças. Mariana me olhava com cara de extrema curiosidade, mas não dei a ela muito tempo para pensar e logo tomei a mão dela e a coloquei por dentro da minha cueca.
Acenei levemente com a cabeça para ela e então ele olhou fixamente para minha cueca. Suas mãozinhas finalmente começaram a apertar meu pau, puxando-o para cima e libertando-o finalmente. Ela definitivamente estava hipnotizada, como se meu pau fosse uma naja, e depois de alguns instantes ela começou a punhetar, mas estranhando que “não tinha aquela pelinha em volta dele”. Eu disse que tinha operado de fimose e a retirado, o que facilitava para as garotas no ato de punhetar e chupa-lo.
Com isso em mente, com delicadeza passei minha mão por detrás da cabeça dela e a puxei em direção ao meu pau. Inicialmente ela resistiu, dizendo que nunca havia feito isso. Eu sorri e disse que não havia problema algum nisso, e confiava nela para tal feito, que aquela boca carnuda era perfeita para isso. Encabulada, ela reclinou-se agora por vontade própria, descendo da mesa e se ajoelhando para poder ficar com a boca em uma boa altura.
Ela me surpreendeu engolindo meu pau de uma só vez, sugando fortemente, e confesso que quase não consegui manter o controle e por pouco não gozei naquela hora. Ela chupava sem pegar leve na força, como se fosse algo do qual sua vida dependesse, e eu acariciava seus cabelos sorrindo. O que faltava em técnica ela compensava com vontade. Coloquei a camisinha, ela me acompanhando com olhares..
Então pedi que ela se levantasse e comecei a despí-la. Olhava em seus olhos e não havia dúvida. Ela me queria, queria que eu a tomasse. Quando sua calcinha tocou o chão, a levei de volta para a mesa dizendo que era a minha vez, deitando-a na mesa e abrindo suas pernas. Era uma visão magnífica, seu rosto angelical no meio dos seios.
Fui beijando a partir do joelho dela, indo pela parte interna da coxa, agora com os olhos revezando entre a bucetinha e os olhos dela, que se apertavam cada vez mais, já aumentando o prazer sentido. quando finalmente cheguei em seus grandes lábios, fui beijando-os com cuidado, acompanhando a respiração dela que se acentuava.
Com a ponta da língua comecei a tocar o clitóris, girando em volta dele, e quando levantei o olhar ela já apertava com os dedos os biquinhos dos seios, duros de tesão. Minha língua explorava cada pedacinho daquela linda bucetinha, e as coxas de Mariana já apertavam minha cabeça, sem dúvida nehuma ela estava prestes a gozar, eu podia sentir os espasmos do seu corpo chegando.
Então rapidamente me levantei e a puxei para mim, meu pau se lambuzando no melzinho dela, e então quando ela deu um sorriso forcei a entrada do meu pau, com todo o cuidado, colocando apenas a cabeça do pau. Até que ela disse “vai, pode enfiar tudo logo” e então enterrei meu pau nela. Ela arqueou o corpo eu comecei a dar bombadas cada vez mais intensas, admirando aqueles deliciosos seios balançando naquele ritmo de prazer.
Ela me puxou para ainda mais perto dela, senti suas unhas começando a me arranhar. Definitivamente, ela estava chegando ao clímax e então acelerei os movimentos, até que ela finalmente me soltou e deu um longo gemido. Aí eu pude me concentrar mais em mim e mantive o ritmo forte, até finalmente senti que ia gozar e então tirei meu pau pra fora e lancei meu esperma em sua barriga e em seus seios. A beijei docemente e ela me agradeceu pelo prazer mais intenso que já havia sentido,e que se pudesse queria me ter todos os dias.
Ficamos alguns minutos nos beijando e sorrindo, até que nos recompomos e saímos daquela sala que daquele momento em diante nunca mais seria esquecida por nós…

TARDE NO PARQUE

conto enviado por Mauri Carrasco 

Era uma manhã cinzenta e sem graça, e lá estava eu e Mariana em uma excursão escolar. Ganhamos o direito de participar dessa excursão após nosso grupo ganhar o concurso de primavera da escola.
O concurso de primavera era realizado todos os anos, e as classes do primeiro grau competiam entre si valendo-se de exposições, musicais, peças de teatros e disputa de modalidades esportivas diversas.
O destino de nossa excursão era o novíssimo Parque Ecológico Monsenhor José Salim. Tão novo que nem pronto estava. Nós não sabíamos disso, mas se soubéssemos de antemão, teríamos relaxado na disputa.
Durante a manhã, toda, andamos e andamos pelo imenso parque, vimos tudo o que havia pra se ver. Finalmente nossas professoras tiveram o bom senso de encerrar as atividades e fazer uma pausa para o almoço comunitário.
Eu achava esses almoços divertidos. Não pela comida em si, mas pela variedade de tipos de alimentos e eu ficava imaginando combinações malucas entre eles. Tipo misturar o arroz doce com o bolo de cenoura. Ei, não me olhe assim, até que ficou gostoso!
Falando em coisas gostosas, aquela chatice toda só era suportável por ter a Mariana ao meu lado. Principalmente por ela não ter a obrigação de usar o uniforme e ir vestida com um top curtinho e um shortinho jeans. Me arrepia lembrar desse visual dela até hoje…
Depois de almoçarmos, deitamos sob a grama e ficamos nos olhando. Eram olhares de desejos em meio a uma certa sonolência. Meus olhos passeavam pelas curvas dela, e ela passou a imitar e me devorar com os olhos.
Como eu queria que o mundo ao nosso redor sumisse e eu pudesse então me ditar sobre ela e mergulhar em teu corpo perfeito! Eu precisava fazer algo para isso acontecer…
Me levantei e fui até a professora Rute, dizendo que eu não estava bem e que iria até o ônibus pegar remédio para dor de cabeça. Ela queria ir comigo, mas pedi que Mariana iria junto comigo caso eu precisasse de ajuda, mas que duvidava ser necessário, era só precaução.
A professora balançou a cabeça para o lado, e murmurou um “tudo bem” meio desinteressado. Voltei até a Mariana, e pedi para ela ir comigo.
Durante o caminho pedi para ela parar de fazer aquela cara preocupa e disse que estava bem, aquilo tudo foi só uma cortina de fumaça ninja para podermos ficarmos livres daquela chatice.
Alguns minutos depois entramos no ônibus e sentamos em nossos bancos. Não havia sinal do motorista e de ninguém ao redor. Os únicos sons eram dos pássaros. Eu havia conseguido fazer o mundo ao redor sumir.
Olhei fixamente para Mariana, e assim que os olhos dela se apertaram e aquela boca linda se entreabriu, roubei um beijo dela. Ela sorriu. Era um sinal de que finalmente algo bom iria acontecer.
Aquele top da Mariana realmente facilitava as coisa, levantei ele de uma vez só e depois ajeitei o sutiã, liberando aquelas duas delícias que eram os peitos dela. Com a mão esquerda eu acariciava o seio direito e com a língua eu fazia o biquinho do seio esquerda se entumescer.
Mariana já se retorcia no assento, gemendo baixinho. Ela realmente sentia muito tesão nos seios, e eu estava me aproveitando disso muito bem. Aquela bolinação toda estava muito excitante, ela já estava muito molhada.
E eu também estava muito molhado a essa altura. O suor estava visível, dentro daquele ônibus estava muito quente. Comecei a perceber que talvez aquela não tinha sido uma boa idéia no fim das contas.
Paramos com o amasso e descemos do ônibus de mãos dadas. Eu disse que estava tudo muito gostoso, e Mariana fez que sim com um sorriso, colocou minhas mãos em seus seios e chegou com aquela boca pertinho do meu ouvido e disse que “não quero que você pare por aqui” e mordiscou minha língua com aqueles lábios carnudos.
Mas, aonde fazer amor com aquela deusa em pleno parque? Eu olhava em todas as direções procurando uma resposta para essa pergunta. Até que notei uma parte em que haviam muitas árvores rodeadas por arbustos. Fazer amor ao livre…seria possível?
Falei para Mariana sobre isso e ela ficou um tanto receosa. “E se fôssemos pegos” ela perguntava. Ficamos alguns munitos olahndo em todas as direções. Ninguém a vista, nem sinal de nossa turma. O parque era imenso.
A puxei pelo braço e a levei até o lugar que eu havia avistado. E era perfeito! Todo gramado, bastante árvores, fresquinho, rodeado por arbustos como se fossem muros. Eu estava muito contente comigo mesmo, e Mariana também, pois quando olho novamente para ela ela já estava deitada no chão estendendo seus braços para mim, me chamando.
Deitei sobre ela, pensei que um 69 cairia bem para acelerar as coisas. Ela rapidamente  tirou o meu pau para fora da bermuda abaixando-a com a cueca até meus joelhos e começou a acariciá-lo.
Já eu tive mais dificuldade para puxar o zíper e mais ainda para puxar aquele short colado, mas alguns segundos depois eu já estava beijando aquelas coxas maravilhosas.
Meus dedos brincavam agilmente com a bucetinha dela, já sentindo eles se lambuzarem no melzinho dela, e ela por sua vez já abocanhava todo meu pau em sua boca.
Vez ou outra eu olhava ao redor para ver se ninguém nos espionava. Aquela sensação de perigo nos deixava loucos. Continuamos no 69 porém agora com ela por cima, para que eu finalmente conseguisse sugar o melzinho que escorria em sua bocetinha. Eu enfiava minha língua nela no mesmo ritmo no qual a Mariana me chupava, um ritmo delicioso, nos fazendo entrar em transe.
De repente Mariana estremeceu e deixou de chupar meu pau. Estava gozando e suas coxas apertaram minha cabeça, e então relaxou um pouco, gemendo lindamente.
Foi então que a virei sobre mim, suas costas agora em meu peito, encaixei meu pau na entrada da sua bocetinha enquanto ela ainda gozava, e comecei a puxar o corpo dela na direção do meu pau.
Enquanto acelerava o ritmo do meu pau dentro dela, minhas mãos passeavam pelo corpo dela, encontrando os seios e estimulando aqueles biquinhos durinhos de tesão.
Mas Mariana passou a gemr mais forte e tive que tapar sua boca com uma mão. Deixei que ela chupasse meus dedos e depois tapava novamente quando ela gemia mais alto.
Pedi para ela colocar a camisinha em mim. Era um momento lindo ver aquela cara de safada repleta de desejo enquanto habilmente colocava a camisinha em meu pau que pulsava por ela. Terminada a tarefa, ela sentou sobre ele e começou a cavalgar. Ela sabia que era minha posição preferida, ver aqueles seios balançando me estimulava muito.
Aquela sensação de natureza, de estarmos ao ar livre, tudo colaborou para que nossa excitação ficasse selvagem, e meio aos raios de sol que cortavam as copas da árvores, vislumbrei Mariana gemendo e gozando convulsivamente, mesmo que com as mãos tapando a boca.
Ela então descansou seu corpo em mim, e abracei fortemente. Ela não parava de me beijar e agora gemia baixinho, me agradecendo.
Foi quando ela se recompôs e tirou a camisinha do meu pau, e disse que era a vez dela dar show. Começou um boquete espetacular, parecia possuída por alguma alma devassa.
Tamanho era seu empenho que não demorou muito e avisei que ia gozar. Ela me surpreendeu e arrancou a camisinha, e abocanhou meu pau enquanto eu gozava e suas unhas arranhavam meu peito.
Que sensação maravilhosa! Mariana levantou e fez cara de nojinho, cuspiu minha porra, mas me olhou com uma carinha linda em seguida, lambendo os beiços, e então abocanhou meu pau de novo e terminou de lambê-lo, perguntando se eu havia gostado daquilo.
Eu disse que havia amado, e queria repetir. Porém, não queria mais arriscar e tivemos que nos contentar aquela única transa. Mas já estávamos contentes demais…

-O agente de saúde

conto enviado por Danilo Santos


Era uma manhã de fria segunda feira 8:30h Marlene já havia acordado,mas ainda estava na cama vendo TV, quando o inter fone toca, ela vai atender- Pois não!- Bom dia sou agente de saúde e estou fazendo um trabalho de prevenção e dengue e gostaria de fazer uma inspeção em seu imóvel.Marlene responde- Aguarde um minuto, por favor.Marlene aproveita para colocar uma roupa bem provocante para receber o profissional de saúde e logo abre o portão eletrônico.Paulo o agente de saúde entra.- Bom dia! Marlene responde a saudação do agente.Meu nome é Paulo (apresentando seu crachá de identificação).- Posso fazer uma vistoria externa e interna em seu domicilio?Pergunta Paulo.- Fique a vontade.Responde Marlene.Paulo começa verificando algumas bromélias no jardim e depois vai até a piscina, de onde pergunta.- A senhora faz tratamento com freqüência na piscina?Marlene responde.- Não eu não, mas meu zelador sim.O agente da um sorriso meio sem graça e continua seu trabalho.Marlene percebe a reação de Paulo e fala,- Eu estava só tentando quebrar o clima, não fique envergonhado.-Tudo bem, já estou acostumado a "piadinhas".Marlene então pergunta,- A é que tipo você mais houve?Paulo responde são varias do tipo, quando perguntamos, Tem cachorro? Alguns moradores respondem tem sim "eu", ou entra que vou te mostrar o "fundo" e por ai vai.- Marlene então responde gostei dessa, vou te mostrar o fundo.Marlene disse isso com uma cara de malícia estampada pra todo mundo ver, mas ali só tinha ela e o agente de saúde, que também percebeu, mas, se fez de "sonso".Olha eu já disse para não se importar com nada sou assim mesmo (disse Marlene tentando deixar Paulo mais a vontade).- Tudo bem ele disse, também já falei pra senhora que estou acostumado com essas "piadinhas".- Mas desta vez não foi uma piadinha, você não gostaria de ver meu fundo?Disse isso ficando de perfil para ele e arrebitando de leve aquela bela bunda.Minha senhora, eu estou trabalhando e estou em sua casa, portanto devo respeita lá.Marlene era uma mulher de 34 anos, dona de um corpo que deixava qualquer homem de queixo caído; seios fartos e rijos, bunda grande e arrebitada, pernas grossas e bem torneadas, olhos azuis como o mar cabelos na altura dos quadris e loiros ou, seja um espetáculo de mulher.Ela responde,Não precisa respeitar nem a mim nem a minha casa, isso é só se você não gostar de mulher, ai eu vou entender.Paulo um homem de 40 anos com cara e corpo de uns 30, de estatura baixa e forte, uma leve barriguinha já devido a idade, corpo peludo, e ainda muito atraente.Ele diz; não, não sou gay e gosto muito de mulher, mas sou casado e não tenho coragem de trair minha mulher.Ao ouvir isso Marlene se sentiu desafiada e partiu para o ataque com todas as suas armas de sedução; abraçou Paulo pela cintura e deixou seu rosto colar no de sua vitima, como se o abate fosse se dar naquele exato momento.Nessas alturas Paulo já tinha perdido a noção da moral e dos bons costumes, do certo e do errado e se deixou levar pelos domínios daquela mulher sedutora e tão linda.Marlene percebendo que dominava a situação pegou Paulo pela mão e o levou para dentro da casa e logo para o quarto.Ao entrarem no quarto, Marlene abraça Paulo com sua toda força nem ligando pra bolsa amarela que ele carregava seu material de trabalho, que se espalha pelo chão do quarto e da um beijo em Paulo daqueles de tirar o fôlego. Até então Paulo estava meio que sob hipnose sem noção de nada. Mas o beijo veio devolvê-lo ao mundo real, então ele notou que não havia mais como fugir e decidiu se entregar de vez aquele monumento feminino.Paulo então joga Marlene na cama e deita por cima dela e continua aquele beijo de antes, agora porem com mais emoção ainda.Marlene começa e respirar com dificuldades ela fica ofegante, e seus batimentos cardíacos tornam se acelerados, Paulo notou e viu que ele agora podia tornar se o controlador da situação.Ele vai descendo e beijando o pescoço de Marlene, mordendo de leve suas orelhas, a mão de Paulo desliza por todo o corpo de Marlene, pernas costas cabelos bunda e quando ele toca de leve em sua vagina, ela solta um gritinho de prazer.Paulo chega aos seios de Marlene e retira o baby dool que ela usava, e fica diante daqueles seios maravilhosos de Marlene, ele chega a ficar ali por alguns segundos só olhando aquele espetáculo que a natureza fez, sem duvidas, ele refletiu e viu que nunca antes tinha visto outros tão belos, e fez questão de chupá-los como uma criança faminta pelo leite materno, chupava lambia mordiscava de leve e Marlene se contorcia de prazer.Depois de alguns minutos ali naqueles seios, Paulo agora parte para a vulva do amor.Mordendo aquela peça de roupa que ela usava, ele foi retirando de leve com o dente e por fim só restou a minúscula calcinha a qual ele só tirou um pouco de lado para em seguida enfiar a língua naquela bucetinha rosada e cheirosa de Marlene. Suas chupadas e enfiadas de língua eram tão intensas que Marlene não resistiu e acabou tendo o melhor e maior orgasmo de sua vida, que chegou a deixa lá por um tempo minutos imóvel na cama.Mas Paulo não se deu por satisfeito, e continuou torturando sua fêmea até que ela retomasse suas forças de novo. Agora Marlene já recuperada do super orgasmo, vira Paulo de costas na cama e repete todo o ritual que ele vez nela, como se quisesse se vingar.Ela o beija por todo o corpo peludo de Paulo que também deu sinais de espasmos. Quando ela tira por completo seu uniforme e resta apenas a cueca, ela começa a lamber seu pênis ainda por cima do pano, pinto dele fica tão duro e tão grande que a cabeça vermelha salta para fora da cueca que agora é retirada assim como foi sua calcinha, com os dentes.Paulo quase "morre" de prazer e começa a grunir como um louco, quando Marlene abocanha seu pinto ereto e ela retribui todo o carinho que minutos a traz ele proporcionou a ela.Marlene suga com força as bolas, a cabeça lambe percorrendo toda dimensão daquele membro duríssimo e tente sem sucesso enfiar a língua no canal da urina, foi sem duvida uma segunda sessão de tortura erótica, que culminou também em uma ejaculação muito forte de Paulo, que foi toda sugada por Marlene, que ainda continuou chupando para limpar todo aquele esperma do pinto de Paulo.Como Marlene continuou chupando o cacete de Paulo, logo ele estava duro como uma viga novamente, ela então veio por cima dele esfregando sua buceta no pinto de Paulo, e segurou na base e encaixou o na entrada de sua bucetinha rosada que aos poucos foi engolindo toda aquela vara para dentro dela, então ele começou a cavalgar aquela rola como uma amazona cavalga seu cavalo.Paulo tinha a visão mais bela que já teve, sua pica entrando e saindo daquela mulher linda que cavalgava em cima dele, ele então apertava os seios dela como se quisesse tirar algo de dentro deles. Marlene saia lágrimas dos não se sabe se de dor ou de prazer.Paulo a puxa Marlene para se e a beija com vontade e enxuga suas lágrimas, Paulo vira sua parceira de bruços e deita sobre ela e mordendo sua nuca penetra Marlene por traz tendo a visão daquela bunda farta linda e suculenta, e com estocadas fortes ela faz com que Marlene goze novamente, mais desta vez em sua rola.Paulo tira seu membro de dentro de Marlene e vai até os seios dela coloca seu pinto entre os dois seios e junta os envolvendo seu cacete em uma deliciosa espanhola e logo não conseguindo segurar mais libera fartos jatos de porra sobre os seios pescoço e até o rosto de Marlene que olha pra ele com cara de satisfeita.Paulo cai do seu lado na cama e diz.- O que foi que fizemos? Nem sei seu nome te conheço e menos de uma hora e já fizemos amor e por sinal o melhor que já fiz.Marlene olhando Paulo nos olhos responde apenas com:- Foi bom não foi? É isso que conta e agora vamos nos conhecer! meu nome é Marlene, e o seu já sei pois vi no seu crachá.Paulo então pergunta para Marlene.- Posso tomar um banho?, Afinal ainda tenho que trabalhar muito hoje!Marlene conduz seu amante até o banheiro e toma um banho com ele ajudando o a esfregar as costas, e por mais um bom tempo eles ficam se beijando com a água caindo sobre seus corpos entrelaçados. Eles saem do banho, Marlene enxuga o corpo peludo de Paulo, ele veste seu uniforme, junta suas coisas que estavam esparramadas pelo chão, coloca tudo dentro de sua bolsa amarela, da um beijo em Marlene e a leva para acompanhá-lo até o portão.Novamente um beijo, ele agradece a gentileza e despede se prometendo retornar em breve para mais uma visita.Marlene responde que vai ficar esperando ansiosa.



-Meu novo professor de Informatica.
Olá, esta é a 1ª vez que relato um conto, tenho vários para contar que nem sabia por qual começa, mas escolhi este pois é bem interessante, acho que vocês vão gostar.
Meu nome é Jaqueline, mas todos me chamam de Linny, sou do rio de janeiro, acho melhor não falar minha idade.. 

Eu fazia um curso de informática, que era 2 vezes na semana, na parte da tarde, logo após a escola, e no meio do curso entrou um professor novo, para substituir o antigo, logo de cara eu fiquei encantada com este professor, ele era lindo, branco, cabelo liso e preto, olhos castanhos, corpo definido porem esguio, e tinha 24 anos... com o passar do tempo fui pegando intimidade com ele, e tentando chamar a atenção dele, ia sempre de shorts e saias curtas, sempre tive as coxas grossas, parece que ele já havia notado meu interesse, porem ele era muito discreto e parecia não dar muita bola, pois eu era bem mais nova.... Minha colega, Roberta, que era mais velha, resolveu então falar diretamente para ele que eu estava gostando dele e queria ficar com ele, ele ficou apreensivo e disse que eu era muito nova e tal, minha amiga chegou a mentir minha idade e aumentar um pouquinho rsrs, mesmo assim ele não queria e resolveu falar comigo para não ficar um clima chato... ele foi conversando comigo enquanto caminhamos para fora, o curso ficava no segundo andar de uma galeria, ele ia falando que não podíamos ficar juntos, por causa da idade e por ele ser meu professor, eu falei que não me importava com a idade, pois sempre fiquei com homens mais velhos e que não ia desistir e que ele ainda seria meu, todo meu, ele riu mas disse que isso não aconteceria e chegando na porta da galeria e se despediu de mim, e eu fui me despedir dele com um beijo, e beijei sua boca, e ele acabou retribuindo, foi um beijo gostoso, segurei sua cintura com força e puxei para meu corpo, senti suas mãos em minha cintura desnuda, pois estava com um top e senti um volume crescer em sua calça, ai e o larguei e fui embora, olhei para traz e lá estava ele parado na porta da galeria olhando feito um bobo, ai pensei... este já é meu...

No outro dia, fui mais provocativa ainda, com uma saia bem curtinha, e um top bem decotado, sentei cruzando as pernas deixando bem a mostra, ele quase não se concentrava em dar aula, olhava sempre para mim e dava um sorrisinho safado, e eu retribuía... quando acabou a aula, fui guardando as coisas bem devagar esperando os outros alunos saírem e fiquei na sala sozinha com ele... ele começou a falar... sabe Linny, sobre ontem ... eu logo o interrompi... vc gostou né Eric, ele disse, sim mas não podemos... então me aproximei dele e fiz um movimento para beijá-lo, e antes mesmo de eu conseguir ele me agarrou e me beijou, me alisando a cintura e as costas, e eu enfiando a mão por dentro de sua camisa, e descendo e apertando sua bunda, puxando para mim, esfregando minha chana em seu pau que estava endurecendo... mas estava vendo que ele estava receoso e peguei sua mão e coloquei em minha bunda, fazendo com que levantasse minha saia, ai a coisa esquentou, ele apertava minha bunda, e se esfregava, eu comecei a desabotoar sua calça, e enfiei minha mão dentro de sua cueca, alisando seu pau que estava bem duro e já começando a ficar melado, foi quando ele se afastou e disse que a secretaria podia entrar a qualquer momento, e foi logo abotoando a calça.... ele falou para eu sair e esperá-lo no estacionamento... mas que depressa eu fiz isso, e logo ele chegou e fomos até seu carro, eu perguntei ... vamos para um motel? Ele disse que não pois tem medo de entrar num motel com uma menina da minha idade, então me levou para a Quitinete dele, que ficava bem pertinho do curso, era pequena, porem ninguém ia nos incomodar lá, e poderíamos terminar o que começamos, mal entramos e já começamos a nos beijar, ele foi tirando a camisa, e arrancando o meu top, começou a cariciar meus seios, e logo começou a chupar e apertar, nossa eu fui a loucura pois adoro que chupei meus seios.... fui desabotoando sua calça, e ele ajudo mais que depressa tirando a calça, e a cueca, e logo salto para fora aquele pau duro, com a cabeça quase rocha latejando e melado, não me contive ele deito na cama e eu cai de boca, lambendo a cabeça, e enfiando aos poucos na boca, e chupando, saboreando cada momento, e ele pedia para que eu chupasse e olhando para ele, e enquanto chupava fui tirando a saia e a calcinha... então ele se virou, me pegou, e me colocou deitada na cama, e foi logo se deitando encima, tratei logo de abrir minhas pernas, pois sabia que logo ele ia enfiar aquele pau delicioso dentro de mim, e logo senti a cabecinha forçando minha bocetinha, então peguei ele com a mão e direcionei na entrada ate que a cabecinha entrasse, então ele foi colocando o resto devagarzinho, que delicia, eu percebi que havia conseguido o que eu queria, que era seduzir aquele professor lindo, e gostoso.... então ele continuou socando, e gemendo, eu gemia de tanto prazer, e foi bombando com mais força e rapidez, eu já estava começando a ter orgasmo, e ele continuava firme e forte, foi quando eu não aguentei e tive o melhor e mais forte orgasmo da minha vida, me faltou ar, perdi a voz, apertei ele bem forte e meti as unhas em suas costas, e ele continuava metendo com o pau duro como uma rocha, então diminuiu a sensação, e relaxei novamente, então percebi que ele foi bombando mais devagar e depois mais rápido alternando, e voltei a sentir a sensação,.... eu não parava de repetir, vai, não para, assim, que delicia, foi quando voltou o orgasmo e meu coração disparou, me faltou ar ... ele começou a soltar uns grunidos mais fortes e gemer com mais intensidade até que ele soltou e gozou... senti aquele jato encher-me por dentro, quentinho... e foi delicioso ouvir aquele grito que ele deu quando gozou, um grito de prazer ... e foi a primeira vez que tive orgasmo múltiplo, achei que ia morrer, mais foi delicioso, então ele ficou deitado encima de mim e com o pau ainda dentro, eu ainda estava em êxtase, e sentindo seu pau esvaziando dentro de mim, com minha bocetinha ainda cessível, então ele olhou no relógio, e levantou correndo, limpando o pau no lençol, e se vestindo, eu perguntei onde ele ia, falei que eu podia ficar até mais tarde, e podíamos fazer de novo, mas ele falou que tinha que dar uma aula ainda.... então também me vesti e ele me deixou no estacionamento da galeria e fui embora e ele foi dar sua aula... é claro que fizemos isto muitas outras vezes.... mas depois eu conto...




-A deliciosa descoberta do prazer!!!

Olá!! Meu nome é Maria Paula, tenho 25 anos, 1,70 metros e 59 quilos, sou loira cabelos compridos, olhos verdes e..... digamos que chamo atenção por onde passo.....Ah! Mais um detalhe sou viciada em sexo!!! Adoro as formas mais loucas!!! Com homens e mulheres, de preferência com os dois juntos!!! Alias, de preferência com mais de dois!!! 
Para os que não me conhecem, frequento alguns clubes de swing, e faço muitos programas, praticamente todos os dias, sempre durante o dia e escondida, pois sou casada e meu marido nem sonha com esse meu lado “devassa” .......rsrsrsrsr.
Mas o que quero contar para vocês, atendendo a pedidos de muitos amigos, é como eu me tornei a mulher que sou hoje.
Então vamos ter que voltar alguns anos. Eu comecei a me interessar por sexo muito, muito cedo. Durante o dia ficava olhando os meninos e as meninas na escola e imaginava seus corpos, seus sexos e tudo mais..... a noite, de madrugada, assistia aos filmes nacionais que passavam na Band e me masturbava muito. 
Mas a minha primeira experiência aconteceu um pouquinho mais tarde, na época eu estava no 1º ano do 2º grau, e já flertava muito com os meninos, principalmente com os mais velhos, mas só com os meninos, porque ainda morria de medo do meu lado bi.
Existia um grupo de meninos do 3º ano que sempre me assediavam, sempre!!!! Todos os dias eu recebia bilhetinhos, cantadas, e eles sempre se aproveitavam das filas para o lanche, ou para tomar água, para me encochar, e eu adorava sentir o pau duro deles na minha bunda, mas morria de vergonha e sempre ficava muito vermelha!!!
Um dia , eles me pediram para ajudar com um trabalho que tinham que entregar e precisava de muitos desenhos e eles não conseguiam fazer e como tenho um bom talento para desenho..... Não precisou muito para me convencer não.... Marcamos para o inicio da tarde na casa de um deles, que ficava bem pertinho da escola....Passei o resto da aula muito excitada.... minha calcinha ficou totalmente ensopada.... chegava a pingar!!!!
Quanto acabou a aula, fui pra casa, nem consegui almoçar direito, tomei um banho muito longo e me vesti da forma mais provocante que eu podia na época, uma mini saia jeans, e uma camisetinha branca curta, que deixava boa parte dos meus seios e da minha barriga de fora. Eu estava sem sutiã e com uma calcinha tipo tanguinha, na época eu ainda não usava fio dental Por cima, para espantar o frio e para minha mãe não desconfiar, coloquei um casaco bem longo , bem abaixo do joelho.
No caminho até o encontro, uns 10 minutos andando, eu novamente encharquei minha calcinha, imaginando o que iria acontecer; quando entrei no prédio eu estava completamente vermelha e excitada, morrendo de curiosidade e de vontade. E num ato sem pensar tirei o casaco e minha calcinha no elevador. Qdo fiz isso sentir um prazer enorme percorrer meu copo.
Quando entrei no apartamento, o aquecedor estava ligado muito forte e todos estavam sem camisa, e haviam preparado muitas batidinhas, morango, pêssego, maracujá....... Foi a primeira vez que bebi.
Nem se falou do trabalho, eles só me elogiavam e falavam de baladas de aventuras, e cada vez mais a conversa ficava mais picante até chegar ao ponto das experiência sexuais, foi ai que eu falei que as minhas eram só com os meus dedos.... todos riram.... mas em seguida o dono da casa, que tinha ido ao banheiro, voltou e me agarrou por trás e começou a beijar o meu pescoço, em seguida outros quatro também começaram a me beijar!! Me assustei, pois imaginava que seria um de cada vez, mas aquilo tava bom demais para eu querer parar.
E no meio daquilo tudo, eu que nunca nem tinha sido beijada, sentia cinco meninos beijando meu corpo todo, e pela primeira vez e tive um orgasmo acompanhada!! Gozei no meio da sala, fiquei com a perna bamba, cheguei a achar que ia desmaiar. Me levaram pro sofá e continuaram a me beijar, foi quando viram que eu estava sem calcinha e vibraram muito com isso. O Miguel, único que vou nominar, pelos motivos que vocês iram ver, começou a beijar minha virilha, meus pelos e finalmente meu sexo. Sentir aquela língua, lembro até hoje, foi a sensação mais maravilhosa do mundo, gozei de novo, dessa vez mais forte, sem conseguir segurar os gemidos.
Nesse momento eu ainda estava zonza, mas percebi que todos já estavam nus e se preparavam para me penetrar. Fui tomada por um pavor enorme, me desesperei, comecei a chorar queria ir embora, n ao sei explicar o medo que senti.
O Miguel, para me acalmar me levou para cozinha, me ofereceu água, conversou comigo alguns minutos. Expliquei pra ele que eu era virgem e que não queria perder a virgindade assim, ele entendeu acho muito legal, falou que não tinha problemas. E começou a falar que existia outras formas de se fazer.... logo me veio a idéia de anal, nunca tinha feito, nem me imaginando fazendo, mas naquele instante a idéia me deixou completamente eufórica..... Quando Miguel acabou de falar, percebi que ele falava de Oral. Mas falei pra ele que queria experimentar anal.
Deu pra ver o brilho que surgiu nos olhos dele e sorriso na boca, ele não pensou duas vezes, me debruçou na mesa, e utilizando óleo de cozinha como lubrificante começou a força minha bundinha, sentir a glande bem na entrada da minha bundinha era maravilhoso, ele forçava bastante, mas não entrava, eu adorava aquela pressão, poderia ficar por horas, sentido aquele pau me pressionado. Foi quando ele afastou e em uma estocada muito forte entrou todo dentro de mim.... Doeu muito, eu gritei muito, a dor fez a minha vista escurecer..... mas depois fui me recompondo, e a dor foi dando lugar para um prazer enorme, idenscritivel a sensação de sentir ele entrando e saindo de mim. Estava quase gozando quando o Miguel tirou de dentro de mim e gozou nas minhas costas..... Depois do susto, adorei sentir aquele liquido quente nas costas.
Antes que eu pudesse me mexer, o segundo, que era o dono da casa, já havia se posicionado e começava a me penetrar, ele mexia mais devagar que o Miguel, eu sentia mais ele entrando e saindo de mim, nesse momento os outros três se colocaram na minha frente para que eu os chupasse, hesitei um pouquinho mas comecei a chupá-los e descobrir que é muito gosto sentir um pau na boca, e comecei a chupar mais e mais..... até que um deles, junto com o dono da casa começaram a gozar, na minha boca e na minha bundinha, eu comecei a gozar junto.....sem saber o que faezr com a porra que estava na minha boca.... acabei deixando escorrer pelo meu queixo, nisso o quarto gozou na minha cara, jato no meu rosto, meu pescoço, meu cabelo.
Só faltava o quinto, e esse tinha um pau enorme, muito maior que os dos outros, nem cabia direito na minha boca. Foi quando ele foi pra trás de mim e sem cerimônia começou a me penetrar com força, eu chorava de dor, sentia minha bundinha se arrobar, e derrepente em meio a dor, comecei a sentir outro orgamos chegando e comecei a empurrar a bunda pra tás queria todo aquele pau dentro de mim, e comecei a gritar de prazer, até o Miguel colocar o pau na minha boca, gozei muito sentindo as estocadas na minha bundinha e a pulsação do pau do Miguel na minha boca. Ai desabei, não agüentava mais nada!!!!!! Afinal ainda era muito novinha.
Foi quando o Miguel me carregou para o banheiro, me deu banho, lavou meu cabelo e cada parte do meu corpo, enquanto fazia isso o seu pau estava duríssimo, então comecei a puheta-lo, me ajoelhei no Box, para fazer melhor e acabei não resistindo, comecei a chupá-lo, e foi só eu colocar a boca para ele gozar, e dessa vez engoli tudinho, e sentir aquele gosto acre escorrendo na minha garganta foi quase um novo orgasmo. Ele me levantou, me beijou demoradamente e disse que me amava. Eu achei lindo.
Fui pra casa quase me arrastando, passei mal a noite toda, tive até febre, no dia seguinte cada parte do meu corpo doía, nem pude ir pra aula, fiquei sentindo dores mais de uma semana, mas só pensava quando e como seria a próxima vez. Era inevitável, já estava viciada em sexo, principalmente anal.
Me encontrei muitas vezes com esse grupo de amigos, principalmente com o Miguel...




-Patroa Aprova Novo Empregado

Seu João já estava velho, vinha ensinando o filho Tony tudo o que sabia, pois seria seu substituto no trabalho de ser caseiro num sítio do Dr.Marcos. O sítio ficava a beira de uma linda lagoa e Tony já tinha aprendido tudo o que precisava. Aqui está Dr.Marcos, esse é meu filho, daqui pra frente ele é seu novo caseiro. Tá certo Seu João, a Lúcia minha esposa vai passar uma semana aqui no sítio e avaliar o trabalho dele, se ela aprovar ele fica, respondeu ele. Feito, confio no meu filho, replicou Seu João.
Seu João foi morar a alguns quilômetros do sítio e Tony passou a ocupar a casa do caseiro. A noite Dr. Marcos foi pra cidade, era domingo e só voltaria na sexta também a noite. Mais tarde Lúcia chegou dirigindo o mesmo carro importado com que Dr. Marcos havia ido embora. Tony, me ajude a descarregar o carro, por favor. Sim, madame, respondeu ele. Tirou frutas e algumas compras que ela havia trazido pra toda a semana, pois não queria ir na cidade. Espero não precisar sair daqui por nada Tony, trouxe tudo que preciso. Fez bem D. Lúcia. Ele não parava de observar a patroa, quase não disfarçava, tamanha era a gula dos olhos dele. Ela tinha uns 40 anos, no máximo 45, mas um corpo de invejar muita jovem por aí, era muito vaidosa, barriga lisinha, pernas grossas e torneadas, bumbum empinado, tudo resultado de intensa malhação, cabelos um pouco ruivos e uma pele muito bem cuidada. Nossa, que delícia, com esse vestido curto então, meu Deus, pensava Tony consigo. Pode ir pra casa Tony, se precisar, lhe chamo, agora vou tomar um banho, boa noite. Boa noite, dona. Tony deitou e não conseguiu dormir pensando na patroa gostosa. Te cuida Tony, é tua patroa, olha o teu emprego, não vai decepcionar teu pai, falava sozinho.
Na manhã seguinte, Tony fez todas as suas tarefas normalmente e foi assim o dia todo. A noite ele ouviu alguém falando alto dentro da casa dos patrões, parou e ficou escutando. Lúcia discutia com Marcos por telefone. Ele lembrou que seu pai tinha falado que o casamento deles estava em crise e que sob hipótese alguma ele comentasse a respeito.Claro pai, não vou me meter em vida de patrão, tinha respondido na ocasião. Lúcia já não transava com Marcos a um bom tempo, ela sabia que não estava sendo fiel a ela todo esse tempo sem sexo, ele se envolvia com garotas de programas que sabiam muito bem manter o sigilo, ela ardia de tesão, mas não queria fazer o mesmo, tinha medo de ser descorberta e das consequencias. Depois de desligar o telefone na cara do marido, foi navegar na internet e começou a ler contos eróticos, ficando com a xana cada vez mais faminta por rola a cada conto lido. Leu contos da categoria “empregados” e a imaginação começou voar, ainda não havia olhado bem para o seu novo caseiro. Com a buceta toda molhada, foi até a varanda e observou que a casa do caseiro ainda estava com as luzes acesas, mas não se passou um minuto e tudo se apagou. Com que roupa será que ele dorme?,se indagou. Preciso arranjar um motivo pra trazê-lo aqui. Já sei. Tony, tá acordado? Preciso da sua ajuda. Qual o problema, madame, perguntou surpreso. A TV do meu quarto deu problema, bem na hora que eu ia assistir um filme que gosto muito, sei que é tarde, mas...Tudo bem dona, tô a sua disposição a qualquer hora, só me deixe trocar de roupa, interrompeu ele. Não, vá assim mesmo, se não perco meu filme, respondeu ela. Ela foi andando na frente, ele atrás observava a curta camisola de seda vermelha, que ela segurava por causa do vento. Venha, depressa, aguardava ela na entrada casa observando finalmente o seu caseiro mais atentamente. Via um jovem forte, de músculos bem definidos, apesar da blusa larga que vestia e uma cueca samba canção que permitia ver o pau balançando de um lado pra outro com os movimento de andar. Entraram no quarto e sob a luz ele pode ver melhor a patroa, que disfarçando mexer nas conexões atrás da TV, empinada a bunda, levantando um pouco a camisola e deixando ele, que estava atrás dela, perceber que ela não usava calcinha na hora, “acho que deve ser aqui na conexão da antena Tony”, disse com um sorriso malicioso. Ele vendo aquela visão maravilhosa, o pau logo ficou parecendo querer furar a cueca de tão duro, não dava pra disfarçar com aquela cueca frouxa. Dei...deixa eu ver, madame. Quando ela virou e viu o volume na cueca, ficou paralizada de boca aberta. Ele colocou as mãos na frente pra esconder, “desculpe madame, a Srª. é minha patroa, mas eu sou homem, como posso resistir a uma maravilha dessas?”. Ela chegou perto dele, massageou o cacete dele por cima da cueca e disse, não se preocupe, eu armei tudo isso pra ter você aqui, já estou a dias sem sentir um pau na minha buceta, eu quero meter muito, muito, me fode. Nossa, que delícia, sonhei com isso desde que a dona chegou, mas jamais achei que seria possivel. Deitou na cama com o pau apontando por teto e a patroa sem demora começou achupar com uma fome voraz, mostrando toda a saudade que tava de um cacete. Na boca, ela percebia, que tava chupando uma pomba bem grossa que a do seu marido problemático, “hummm, delicia de rola, Tony”, deslizava a língua levemente de cima a baixo, fazia movimentos circulares na cabeçona do pau, percebia que latejava de tanto tesão. Não goza na minha boca, quero sentir esse caralho preenchendo minha buceta, viu? Sim, então monta nele, mata tua fone pau, annn... Ela sentou e o cacete apesar de grosso, entrou sem dificuldade na xana enxarcada. Subindo e descendo lentamente, ela viu que além de mais grosso, era também maior que do seu marido, as vezes naquela posição costumava ficar saindo quando fazia ele, mas com Tony ela subia, descia, subia,descia e não saía...annn, iammi,annn,aannn, gostoso, tava com tanta vontade que não vou demorar pra gozaaaaaaaa,aiiiii,aiiiiii.annnn. Quando tava gozando, aí ela cavalgou freneticamente. Annn, isso, patroa, goza no meu cacete, gooooza. Ela amoleceu o corpo deixando cair seu peso por cima dele. Você merece gozar também Tony, falou ela enquanto saia de cima e se ajeitava em um puff próximo a cama. No quarto tinha um tapete tão macio que nem precisava colocar travesseiro embaixo dos joelhos. Ela ajoelhada, apoiada no puff, Tony chegou por trás, tendo a vista uma buceta deliciosa, toda molhada, metia com força, que visão linda, uma bunda deliciosa só fazia meter com mais força ainda na xana encharcada, annnn, annn, agora é minha patroa, aiiiiiii, que delícia, com o ritmo frenético das metidas, ela teve um segundo orgasmo, algo inédito até aquele dia. No fim ela brincou, “não se preocupe, vou dizer ao seu patrão que você está aprovado no trabalho. E até a chegada do Dr. Marcos, todas as noites foram de muita rola na buceta gulosa. Aquilo serviu como uma terapia, ela passou a fazer mais sexo com o marido, pensando no empregado gostoso.




-Acordei com Minha Irmã me Chupando

Bom meu nome é Marcos tenho 29 anos e o que vou contar aconteceu a dez anos atrás, na época eu tinha 19 anos e minha irmã tinha 16.Ela mesmo nova já tinha um corpo de dae inveja a qualquer mulher, seios médios e bem durinhos uma bunda muito gostosa.cheguei a tarde da academia e chegando em casa ela estava sozinha pois nossos pais haviam saído, nem liguei pra ela e fui tomar um banho,sai e fui tirar uma soneca, dormi totalmente pelado mesmo e minha surpresa foi que acordei com meu cacete na boca da minha irmã,assustei um pouco mais meu cacete já estava totalmente duro e ela me falou se eu queria que ela parasse, disse que não e falei pra ela chupar bem gostoso porque queria gozar muito na boquinha dela,ela chupava feito uma profissional,fiquei louco de ver minha maninha mamando meu cacete que estava prestes a explodir na boca dela,ela já estava totalmente pelada,sua bucetinha era depiladinha e não agüentando mais comecei um 69 bem gostoso com ela ficamos nessa posição muito tempo ate que gozei na boca dela e lê a também a esta altura já tinha gozado varias vezes, ficamos nos beijando por um tempo e em seguida meu cacete já estava duro de novo, coloquei ela de quatro e comecei a pincelar meu mastro na portinha da sua xoxotinha ela ficou louca e pediu pra come-la bem forte e pediu pra meter bem fundo e comecei a introduzir meu cacete descomunal dentro daquela bucetinha ela se contorcia e pedia pra não parar puxava seu cabelo batia em sua bunda e ela pedia mais, falava pra ser chamada de vadia e assim fiz, ficamos trepando a tarde inteira e depois de uma chuverada comi seu cuzinho mais essa eu conto outra hora.




-Uma capetinha em forma de sobrinha

Marcio e Lurdes era um casal que vivia relativamente feliz. Ele um evangélico fervoroso, ela uma enfermeira competente que trabalhava em um grande hospital da cidade. 
Embora não tivessem filhos, adoravam crianças e sempre que podiam organizavam as festas de finais de ano oferecidas a elas pela igreja de Marcio. 
A irmã de Lurdes enviuvou muito cedo e desde então morava sozinha com a filha Gabriela em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais.
A irmã de Lurdes precisou fazer um curso de aperfeiçoamento na matriz da empresa multinacional em que trabalhava e que tinha sua sede na Holanda e por isso solicitou que a sua filha viesse morar com o casal enquanto estivesse ausente, coisa de cinco a seis meses, dizia... Lurdes que lhe devia muitos favores não teve como dizer-lhe não; Acabou concordando.
Gabi como carinhosamente era chamada, tinha apenas 18 anos de idade, mas possuía um corpo escultural que chamava a atenção de todos por onde passava.
Nos primeiros dias em que estava morando com o casal, comportou-se como uma mocinha bastante tímida e educada.
Com o passar do tempo foi se soltando e logo passou a agir como uma mocinha bastante extrovertida e de inteligência acima da média.
Seu relacionamento com Marcio era o melhor possível, o chamava de titio e quando ia dormir costumava sempre dar-lhe um beijo no rosto.
Certa noite enquanto estavam a sós na sala, ela mencionou que seu pai havia falecido quando ela ainda era muito pequena e que não se lembrava de haver um dia sentado em seu colo para assistir TV.
Marcio estranhou aquela conversa, mas não percebeu qualquer maldade no comentário, ficou até compadecido com a frustração da garota.
Em outra ocasião, assim do nada, comentou que tinha um fetiche por homens mais velhos...
Marcio acabou rindo bastante, achando que era uma simples brincadeira de adolescente.
Todavia, começou a notar que, nas noites em a esposa estava de plantão, Gabi ficava mais tempo na sala assistindo TV e muitas vezes vestindo um short bem apertado que realçava uma bunda bastante empinada e uma camiseta quase transparente onde se percebia claramente o contorno de seus belos seios.
Outras vezes, quando ia se despedir para dormir e Lurdes não estava por perto, dava-lhe um rápido beijo tipo “selinho”e sempre acompanhados de um sorriso enigmático.
Acabou ficando desconfiado que ela pudesse estar tentando provoca-lo.
Os dias iam se passando, até que numa sexta-feira em que Lurdes estava trabalhando à noite, ao chegar do serviço, Marcio notou que Gabi estava assistindo um filme pornô. Teve certeza de que ela queria que ele percebesse, pois fingindo não notar sua presença, demorou algum tempo para mudar de canal.
Marcio foi tomar um banho e ao sair do seu quarto, ela veio ao seu encontro com um sorriso maroto, dizendo-lhe que havia pedido uma pizza para o jantar e que já tinha reservado uma garrafa do seu vinho preferido.
Enquanto comiam a pizza, Gabi disse-lhe que tinha um segredo para contar e sem nenhum rodeio falou que fazia mais de um ano que não era mais virgem.
Procurando se manter o mais natural possível Marcio perguntou como foi que ela havia se tornado mulher.
Gabi respondeu que tinha sido com um garoto de sua idade e que a partir daquele dia nunca mais o tinha visto e que também fora sua primeira e única experiência sexual. Em seguida mudou rapidamente de assunto.
Marcio ficou sem saber se o que ela havia acabado de contar era verdade ou se ela estava apenas brincando com ele e se divertindo com o seu visível embaraço.
Marcio acabou de comer a pizza e resolveu dormir mais cedo, até para evitar certo constrangimento que aquela conversa lhe causara.
Não havia dormido mais que uma hora quando acordou com a Gabi em sua cama, totalmente nua!
A visão daquele corpinho na penumbra começou a excita-lo, a semente do desejo germinou...
Ainda tentou evitar o inevitável:
- Gabi o que você esta fazendo em minha cama?
- Tomei um pouco de vinho e estou me sentindo tonta. Vou dormir esta noite aqui...
- Nada disso! Vá vestir alguma roupa e volte já para seu quarto - disse - virando-lhe as costas.
Ela ignorando seu pedido, ao invés de voltar para seu quarto, simplesmente o abraçou por trás e perguntou em tom irônico:
- Tá com medinho de mim?
Então começou uma batalha interior entre seu corpo e sua alma... O corpo venceu... Marcio não insistiu para que ela se retirasse...
Não passou muito tempo e sentiu que Gabi começou a beijar sua nuca e a fazer cafuné em seus cabelos.
Sem muita convicção e ainda tentando enganar a si mesmo Marcio pediu:
- Gabi, você é quase uma menina, tem idade pra ser minha filha! Não faça isso, por favor.
Sua resposta foi incisiva:
- Relaxa titio, não sou menina e nem sua filha...
Então Marcio sentiu uma mão entrando furtivamente dentro de sua cueca e seu pênis sendo punhetado suavemente.
- Que pinto grande titio...
A excitação tomou conta de Marcio e ele virando de frente para ela começou a beijar sua boca, seus olhos, seu pescoço, seus seios e com as mãos apertava sua bunda e suas coxas. Foi então que percebeu que a vagina dela era muito pequena, era completamente desproporcional ao seu corpo e a sua idade, parecia a vagina de uma menina...
Ficou constrangido com aquilo e apesar da enorme excitação, relutava em consumar o ato.
Foi quando ela passou a sussurrar em seu ouvido:
- Me come tesão, me come!
Marcio não conseguia mais resistir, então se deitou sobre ela, colocou o pênis em sua vagina e tentou penetrá-la. A vagina era extremamente apertada, não conseguia a penetração.
Gabi orientava:
- Tem que empurrar com força titio... Empurra com força que entra...
Marcio foi forçando cada vez mais, até que subitamente sentiu a cabeça do pênis transpondo uma espécie de gargalo e começando a deslizar suavemente para o interior de uma ostra quentinha e macia.
Ainda não tinha entrado nem a metade, quando Gabi agarrou seus cabelos e começou a puxa-los com força. Marcio parou de empurrar achando que poderia estar machucando-a.
Ela se exasperou:
- Que porra titio! Enfia tudo de uma vez!
Marcio então deu uma forte estocada e o pênis entrou por inteiro naquela grutinha sedenta de prazer...
Imediatamente ela passou a tremer da cabeça aos pés e começou a gozar... Um gozo longo que parecia interminável... O líquido era tão abundante que chegava a transbordar e escorrendo pelas nádegas, ia molhar o lençol da cama...
Gabi fechou os olhos e ficou ali quietinha, com um ar de felicidade estampado no rosto.
De vez em quando Marcio dava uma bombada, mas ela não correspondia, apenas abria os olhos e sorria.
Subitamente Marcio se inquietou: E se ela ficar grávida? Saiu rapidamente de cima dela antes que acabasse gozando dentro e deitou-se de bruços, imaginando que logo ela iria se retirar para seu quarto.
Ao invés disso, ela se sentou próximo ao seu rosto e levantando sua cabeça deslizou as coxas por baixo de forma que sua vagina ficou encostadinha na boca dele e choramingando pedia:
- Chupa eu titio, chupa...
A partir dali Marcio abandonou de vez seus escrúpulos e passou a lamber aquela coisinha quente e cheirosa.
Deu uma leve chupada em seu clitóris e no mesmo instante ela começou a rebolar como uma possessa e a gritar:
- Ai que gostoso... Chupa...Chupa...
Marcio perdeu a conta dos orgasmos que ela teve, parecia que não se saciava nunca! Quando ele parava para descansar, ela agarrava sua cabeça e puxando-a contra sua vagina, pedia.
- Mais um pouquinho, só mais um pouquinho.
Por fim, Marcio percebeu que ela estava satisfeita e então, num impulso, pôs-se de joelhos e segurando a cabeça dela com as duas mãos, enfiou o pênis quase que inteiramente na sua boca e gritou:
- Chupa cadelinha, chupa!
Parece que ela ansiava por aquilo, pois imediatamente começou a chupar com extrema maestria. Levantava a cabeça fazendo um movimento de sucção até quase tirar o pênis da boca e, em seguida, comprimindo os lábios e pressionando a língua, o engolia novamente quase que por completo, só parava quando suas faces encostavam-se às coxas de Marcio.
Marcio estava tão excitado que acabou gozando em poucos segundos...
Gabi com a maior naturalidade engoliu todo o esperma e apertando o pênis de Marcio, fazia expelir o restinho que tinha ficado retido na uretra e o sorvia avidamente, como se estivesse esfomeada.
Marcio ficou mais desapontado que satisfeito. O desempenho de Gabi não combinava com a estória que ela havia lhe contado! Impossível tanta desenvoltura para alguém que tivera uma única experiência sexual.
Por fim o cansaço o venceu e exausto acabou dormindo, sem saber o que aconteceu na sequencia.
Ao acordar no dia seguinte, notou que ela já havia saído de casa e possivelmente tinha ido nadar na piscina do clube como fazia todos os sábados.
Ficou a manhã toda revivendo aquela loucura da véspera e além do sentimento de culpa por não haver conseguido se controlar, estava preocupado, imaginando as consequências daquilo, caso sua esposa que acabara de chegar do serviço ou sua cunhada, viessem a descobrir o que tinha acontecido.
Por volta do meio dia ela chegou toda sorridente e passaram a conversar amenidades, como se nada tivesse acontecido na noite anterior.
Durante toda a semana nem ela nem ele tocaram no assunto.
Para Marcio aquele silêncio parecia uma dádiva! Era como se já tendo ela conseguido seu intento, houvesse perdido seu interesse por ele.
Feliz por ter se livrado daquela situação incômoda,creditou o ocorrido a uma fraqueza da carne e prometeu a si mesmo que que nunca mais tocaria na Gabi. Ela sem dúvida estava a serviço do mal, tentando desvia-lo da igreja!
Na noite da sexta-feira seguinte sua mulher estava novamente de plantão e ao chegar em casa Marcio percebeu que sobre a mesa de jantar havia uma pizza, uma garrafa de vinho e duas taças...Lembrou-se de sua promessa, foi direto para seu quarto, trancou a porta e jurou que só sairia dali no dia seguinte .
Não haviam se passado nem dez minutos quando Gabi abriu a porta e com a cópia da chave na mão, acenava-lhe sorrindo:
- Venha titio. Venha depressa comer a pizza que depois te dou um cuzinho quase virgem de presente...
Pobre Marcio... Voltou a pecar naquela noite... 




-Grupo de estudos sexuais por Louraça

Eu cursava a faculdade de Comunicação e fazia parte de um grupo de cinco alunos que se reunia para elaborar os trabalhos. Éramos eu, Mário, Sandro, Aldo e Tânia. Os três rapazes eram saudáveis, atléticos, bonitos e cobiçados na faculdade. A Tânia, ao contrário de mim, era a mais recatada e não tinha as mesmas idéias e o humor dos demais. Às vezes, parece uma velha, toda conservadora, bastante tímida.
Sou completamente diferente. Tenho seios médios e firmes, quadris largos, enfim, sou uma louraça. Sempre gostei de usar roupas justas e ousadas, o que permitia deixar minhas formas à mostra. Adoro provocar, ouriçar os rapazes que me olham gulosamente. As cantadas são inevitáveis, mas só gosto de homens bonitos, criativos e bons amantes.
Nós conversávamos mais do que estudávamos e nos entendíamos bem. Os rapazes quase sempre direcionavam o assunto para sexo e Tânia sempre desconversava, dando mostras de reprovação e resolvia se afastar. Já eu percebia o efeito que causava nos rapazes e, então, demonstrava ser bem moderna e liberal, falando naturalmente sobre tudo e dando inclusive detalhes picantes. Quase sempre eu podia notar a excitação sob as calças deles, quando nos despedíamos com beijinhos. Isso me arrepiava também e ficava imaginando os comentários que eles deviam fazer entre si a meu respeito. Imaginava-os até se masturbando pensando em mim. Às vezes, eu mesma me masturbava imaginando situações eróticas, cada hora com um deles. Meus amigos sempre tinham receio de ultrapassar os limites e nunca me passavam uma cantada ou alguma outra insinuação. Talvez por causa do clima de colegas de classe que havia entre nós. Num desses nossos papos, percebi que eles insistiam em falar de sexo grupal. Tânia, naturalmente, já tinha ido embora. Eles queriam saber a minha opinião.
Mantendo a imagem de liberal, disse acreditar no amor total, sem reservas e limites, sempre se importando com o prazer, o gozo. Pude perceber a satisfação nos olhos deles. Ficaram até meio tontos, sem jeito. Despedi-me com beijos mais demorados e carinhosos do que de costume, imaginando com certeza que, mais tarde, cada um deles tocaria uma punheta pensando em tudo que tínhamos conversado. Não resisti e, em casa, me masturbei deliciosamente no banheiro, com o anatômico cabo da escova de cabelos.
Naquele período, estávamos preparando um ensaio jornalístico para uma das disciplinas e apresentaríamos em seminário da faculdade. Naquela semana, Mário me telefonou dizendo que o grupo ia se reunir a noite no apartamento de Aldo. Nos mostraria um material em vídeo e aproveitaríamos para comemorar o fato dele finalmente ter conseguido comprar todos os móveis.
É claro que fui. Caprichei no visual e vesti uma saia bem curta e justa por cima de uma minúscula tanguinha branca. Coloquei uma blusa leve, quase transparente, para facilitar a visão de meus seios sem sutiã. Passei um perfume gostoso. Cheguei por volta das oito da noite e notei que chamei a atenção logo de cara. Perguntei pela Tânia e o Sandro me disse que não tinha conseguido avisá-la. Dei de ombros.
Sentei-me no sofá em frente aos rapazes, de propósito. Assim, eles tinham uma vista privilegiada do meu visual. I
Aldo colocou a fita de vídeo e começamos a assistir. Apesar de o assunto ser interessante, percebia a todo o momento os olhares desviados em direção ás minhas pernas e seios quase à mostra. Isso me excitava, mas fingia não perceber, continuava aparentando interesse pelo documentário.
Terminado tudo, Aldo trouxe petiscos, um balde com gelo e uma garrafa de uísque importado. Entre um olhar e outro, íamos ficando mais relaxados por causa das doses da bebida. Como se podia esperar, o tema da conversa agora era sexo.
Trocávamos idéias, relembrávamos conversas anteriores e arriscávamos palpites sobre a sexualidade de alguns professores, rindo bastante. Eu aproveitava e, a cada seqüência de risos, expunha um pouco mais meus seios, inclinando-me à frente. Abria as pernas num movimento aparentemente normal, deixando minha tanguinha à mostra.
Foi quando Aldo levantou-se num salto e disse que tinha algo interessante a nos mostrar, mas pediu que não me ofendesse. Mesmo sem saber do que se tratava, afirmei que nada poderia me ofender: “Não tenho essas frescuras.” E, aquela altura, embalada pelo álcool, provavelmente era verdade. Ele então colocou outra fita no vídeo.
Era um filme pornográfico e começava com a cena de uma bonita loura com um corpo bem sexy e um moreno atlético e bem dotado. Ela sugava com maestria aquela tora que mal cabia na boca, passeando com a língua pela glande, descia até o saco e mamava as bolas do homem. Em seguida, o carinha chupava a boceta, passando a língua no clitóris e descia até enfiá-la no cuzinho rosado.
Depois, ele penetrou-a gostosamente, segurando as pernas acima dos ombros. Percebi que os rapazes dividiam a atenção entre mim e o filme.
Além de meu corpo, eles queriam observar minha reação. Eu tentava demonstrar naturalidade, como se estivesse vendo novela, mas estava excitadíssima. Observava as molduras rijas sob as calças de todos três e isso me deixava ainda mais descontrolada. Facilitava ao máximo a visão de minha tanguinha úmida, fazendo subir de propósito um pouco a minissaia. Sentia um calor imenso, sobretudo entre as pernas.
Na tela, o rapaz dava outro banho de língua na fêmea. Em seguida, ele a colocou de quatro e enfiou o pau molhado vagarosamente no cuzinho da moça, que soltava gemidos de prazer. Após várias estocadas, ele gozou na boca e ela lambeu tudo satisfeita. Já estava achando que ia ter um treco!
Na cena seguinte, não contive um sonoro suspiro. Uma garota linda, de belo rosto e corpo perfeito, começa a chupar outro rapaz. Em seguida, vão entrando em cena mais dois rapazes. Ela vai revezando entre um e outro, mas sem descuidar de nenhum. Nosso jogo silencioso tornava-se mais explicito e declarado. Procurei deixar transparecer os bicos duríssimos dos meus seios e abri bem as pernas, deixando completamente à vista minha tanga, que já estava ensopada.
De repente, percebi Aldo bem na minha frente, ofegando e olhando para mim. Fiquei também imóvel por alguns segundos. Ele colocou a mão em meus cabelos e delicadamente encostou minha cabeça naquele tesouro. Perdi a razão e comecei a sugar e a lamber por cima da roupa. Ele abriu a calça e lambi a enorme cabeça já levemente molhada, colocando-a inteira na boca, me sentindo em outra dimensão. Mário e Sandro imitaram o amigo e mal acreditei na visão maravilhosa que se apresentava: três cacetes avantajados e duríssimos para mim. Mário esfregou a pica em meu rosto, pedindo carinho que não neguei, procurando dar tratamento imparcial para ambos, chupando um e outro, tentando por os dois na boca ao mesmo tempo, mas não conseguia.
Sandro me acariciava com as mãos e língua, meus ouvidos, pescoço e seios com comprovada prática.
Desceu lentamente por minha barriga, escorregou nas minhas coxas. Já estava com a saia totalmente levantada e minha boceta, de tão molhada, fez escorrer o liquido pelas pernas e pelo rego de minha bunda; Era um tesão que jamais havia sentido ou sequer imaginado possível. Sandro demonstrava conhecer bem os caminhos e alojava a boca em minha tanguinha encharcada, enfiando com afinco a língua em minha gruta alagada. Fui ás nuvens e gozei desgovernadamente na boca de Sandro, sugando com força os cacetes de Aldo e Mário. Enquanto Aldo o substituiu na deliciosa tarefa entre minhas pernas, Sandro levantou-se, me beijou com a boca molhada de meu mel e me ofereceu a enorme pica para engolir.
Perdi a noção de tempo e meus gemidos pareciam urros. Eles me, viraram, despiram e carregaram para o sofá maior. Pude ver a moça do vídeo sendo agora fodida na boceta e no cu e chupando o terceiro cacete.
Desejei ardentemente viver aquela situação. Estava alucinada Foi gratificante quando Sandro me penetrou lentamente, deslizando e abrindo minhas pernas até entrar tudo. Já tinha perdido a conta de quantos orgasmos tinha tido. Ele me abraçou e me puxou para bem junto, deixando dessa forma minha bunda bem arreganhada. Percebia a intenção e me sentia dominada e feliz.
Mário, de joelhos no sofá ao nosso lado, encostou a rola em minha boca e não hesitei em engolir tudo, saboreando-a.
Pude ver Aldo passando a língua em meu cuzinho, tentando penetrá-lo e não há como descrever o que senti.
Meu buraquinho relaxava cada vez mais. Percebi que ele passava algum tipo de óleo, enfiando devagar um dedo e depois dois, lubrificando meu anus carinhosamente. Senti um forte desejo de ser penetrada ali inteiramente.
Foi Mário quem me desmamou e foi para trás, numa troca combinada com Aldo, que enfiou o mastro em minha boca. Mário esfregou o pinto na entrada proibida algumas vezes, enquanto eu ajudava, arreganhando mais ainda a bunda com as mãos, implorando para ser arrombada. Como eu queria aquilo! Ele enfiou com cuidado e foi entrando com facilidade no orifício relaxado e lubrificado, mesmo assim parecia que eu estava recebendo um poste. Sentia-me totalmente dominada.
A idéia e sensação de estar sendo comida no cu e na boceta ao mesmo tempo é inigualável. Podia sentir os pintos próximos um do outro, separados somente pelas minhas paredes internas. Tinha espasmos de gozo desenfreados.
Eles resolveram se revezar para aproveitar das mesmas delicias. Permaneci na mesma posição enquanto Mário me penetrava a bucetinha. Aldo colocava em meu deflorado cuzinho e Sandro dava-me na boca o vermelho e molhado caralho. Como era gostoso! Eu era toda deles. Inteira para eles.
A TV estava chiando. O filme já tinha acabado e, apesar de não ter visto todo, imaginava que havia muitas semelhanças entre as cenas da tela e as que tinha acabado de experimentar. Era a vida imitando a arte.
Os rapazes planejaram tudo muito bem, seguiram o roteiro e felizmente fiz parte do elenco. Adormecemos os quatro na sala. Lembro-me de que no meio da noite um deles ainda me fodeu, gozando em minha boceta molhada e escorregadia, mas não sei quem foi, nem achei importante saber. Acordei cedo, antes deles. Dei um leve beijo em cada um para não despertá-los e fui embora deixando um bilhetinho na mesa: “Foi ótimo. Adoro vocês três.” Depois daquilo, ficamos bem íntimos e não havia intrigas entre nós. Era demais! Numa das vezes, os três resolveram gozar ao mesmo tempo em minha boca.
Nunca vi tanta porra junta, quase me afoguei.
Tempos depois mudei de cidade e me formei em outra faculdade, e nunca mais tivemos contato. Soube, após alguns anos, que Aldo havia se tornado produtor de cinema. De que gênero será que são seus filmes?

59 comentários:

Fernanda Fabris disse...

Que vergonha de posta isso *-*

carine lazaron disse...

vergonha pra que neh amiga kkkk

carine lazaron disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Po bem legal quase m excitei kkk!!e isso ai vamos viver o hoje pq o amanha nao esiste so vamos levar oq vivemos hoje. E cada um vevi do seu geito ne!!!!!!!!

juju,,araujo disse...

Comcordo!!!amiga a vida e uma so vamos vive e
Fazer,erar ,cai e aprender levantar,,,,o vida ,,,, q carrosel,,,,

carine lazaron disse...

é exelemte saber que vcs estão gostando...se puderem podem deixar a opinião tbm..

Mauri Carrasco disse...

Eu estou adorando os contos... Pensei até em enviar alguns meus pra vcs...

Anônimo disse...

Hum eu gosto muito mais de contos eróticos do que vídeos pornô.
Fico super exitada sou casadà tenho 18 anos

Anônimo disse...

Oi meu apelido e japa tenho 18 anos e adorei seus conto querida continue publicando e esse último conto seu dos amigos nossa esse e o meu sonho.
Bjs

carine lazaron disse...

vlw mesmo gente pelos comentario..e seria otimo vcs mandarem contos..mandem por MENSAGEM na nossa pagina ou pelo meu email que eu falo com minha amiga que adm a page.... fiko feliz por vcs gostarem....

Anônimo disse...

Fiquei louco de tesão! Parabéns! E você é linda! ;)

Anônimo disse...

Adorei os contos

Anônimo disse...

Chamo-Me Adriana Paiva Rivoiro e molhei de excitação, preciso de um macho urgente, ai que excitação.

Anônimo disse...

Muito bom os contos eu ameiiii todos

Anônimo disse...

Opa

Anônimo disse...

Boa tarde... estou no serviço... comecei a ler e fiquei tremendamente excitado... meu pau ficou duríssimo,,, tenho 53 anos... e minhas colegas quase perceberam... gostei muito..

Jose Antonio disse...

Meu nome é jose Antônio, acho que vou ligar para minha esposa...

Anônimo disse...

fiquei mt exitada.
quería um pau pra xupar bem gostoso.
Beijão .

Anônimo disse...

Muuito bom. Meu noome eh alex etenho 22 aninhos.gozei 4 vezes. Adooooro aventuras.

Anônimo disse...

Fiquei super excitada...principalmente porque faz um bom tempo que ñ ganho uma lambida na xana.

pedro kerendo vx disse...

pow gt se kizer eu dou uma xupada nessa xana q vx vai fik llouca, e se kizer ainda pd ser lennd esses contos.
eu estou afim d ir lá cm vx

Anônimo disse...

OLA ADOREI SEUS CONTOS. ME AMARRO EM CONTOS ERÓTICOS ATIÇAM A IMAGINAÇAÕ, E NOS EXCITAM MAIS QUE FILMES . CONTINUE ESCREVENDO, NÃO DE OUVIDOS PRA RECALCADOS QUE SE DIZEM CERTINHOS MAS NO FUNDO BEM QUE GOSTAM NÉ?

carine lazaron disse...

que bom que estão gostando gente! mas aproveitem e deem uma olhada na pagina APIMENTANDO que la tem algumas fotos e tals so para atiçar mais e mais hehehehehe

Anônimo disse...

Bom dia (10:16am - 13/07/2013) amigos do Blogger, eu e a Marcia adoramos os comentarios a respeito das publicações de vcs. Nós estamos entrando nessa tb, pois ja realizamos varias fantasias e somos adeptos de muitas outras, falando a verdade... Somos ninfomaniacos em geral mesmo, e é por isso o nome de CASAL GERAL (Marcelo e Marcia). Parabens a todos que tem coragem de sobra para expor toda a sua volupia do tesão, não importando como seja este...
Campo Grande MS agradece a todos pela coragem.

casalgeral@outlook.com

Marcelo e Marcia

Anônimo disse...

Oii meu nome é lunna, eu e meu namorada Noah estavamos andando de skate , qnd minha amiga me mando o link , a rampa estava vazia transamos ali mesmo fooi uma deeeeliicia

Anônimo disse...

Eai gatas adoro uma safadeza 41 91486038

Anônimo disse...

LEIA SOZINHO porque no passado eu também não acreditava que ia dar certo, mas… funciona mesmo!!! Entrei neste site e fiz esta prece. Fiz para ver se ia dar certo e deu, assim que acabei meu amor ligou. A pessoa que eu copiei também não acreditava mas para ela também funcionou! AGORA VEREMOS…

Diga para você mesmo o nome do único rapaz ou moça com quem você gostaria de estar (três vezes)…
Pense em algo que queira realizar na próxima semana e repita para você mesmo (seis vezes).
Se você tem um desejo, repita-o para você mesmo:
(Venha cá ANJO DE LUZ eu te INVOCO para que Desenterre FS de onde estiver ou com quem estiver e faça ele ME telefonar ainda hoje, Apaixonado e Arrependido, desenterre tudo que esta impedindo que FS venha para MIM , afaste todas aquelas que tem contribuído para o nosso afastamento e que ele FS não pense mais nas outras… mas somente em MIM. Que ele ME telefone e ME AME. Agradeço por este seu misterioso poder que sempre dá certo. Amém…).

Publique esta simpatia por três vezes , basta copiar e colar por três vezes em in forum diferente esta simpatia abaixo e logo em 48hs você terá uma linda surpresa, beijos Ainda esta noite de madrugada o TEU amor dará conta de que TE ama, algo assim acontecerá entre 1 e 4 horas da manhã esteja preparada para o maior choque de sua vida! Se romper esta corrente terá má sorte no amor. Deus vai lhe abençoárá e sua vida não será mais a mesma

Anônimo disse...

ZOOFILIA EM CAMPO GRANDE - MS

É isso mesmo pessoal, estamos esperando mensagens de todos vcs que queiram curtir bem gostoso esta fantasia (casais, homens, mulheres, travestis - todos ativos ou passivos)

casalgeral@outlook.com

Marcelo e Marcia

mirossilva disse...

Gostei muito dos contos e relatos . Muito exitante. Sou de goiania e para os interessados em novas amizades trocas de fotos e contos este e meu email mirossilva@gmail.com

Jeferson Fellipe disse...

Muito bons pena estar sozinho

Anônimo disse...

maaio

Anônimo disse...

muito bom esses contos sao exitantes gostei



Anônimo disse...

muito bom esses contos sao exitantes gostei

conbra disse...

Gostei das historias sao muito boas ser alguem ai quere mim ligar pode fika a vontade 067-8131-3276 esse e meu numero e da tim

conbra disse...

Mim ligar ai gatas 067-8131-3276 vou esta ti esperado a hora q vcs quere

gatafofa disse...

estas historias são mt picantes.... vivendo e aprendendo... faz parte da vida se der vontade fassa.... rsrsrs

Anônimo disse...

Nossa fiquei exitada com esses contos

DINHO disse...

ADOREI E MUITO BOM AMIGA QUANDO QUISER ME ADD NO SCAYP SO.U.2@HOTMAIL.COM
E SEJA SEMPRE VC

gozadora disse...

Oi eu tenho 13 e quero chupar sua picq todinha

Anônimo disse...

Caralho meu to molhadinha alguem quer tirar meu cabacinho ai to me cossando toda pra dar uma fudida aiii so vai apagar meu fogo um pau de 25 cm meu aiiii to necessitando de um pau mas ralido o possivel ta bao no pau ou na buceta de voces ta

Anônimo disse...

nossa!! que vontade de fuder!!! to toda molhada e bem quentinha que deliciaaaaaaa!

Anônimo disse...

Adorei me masturbei muito ao ler!

Anônimo disse...

Meu nome e maria . olha adorei os contos. sao mt bom .comecei a ler por indicacao d um amigo. e estou gostando mt . parabens

carine lazaron disse...

nossa muito bom saber que meu blog ta sendo indicado!! muuuito obrigado a galera q le eles.. vlw mesmo

Anônimo disse...

nossa so de ler ja gozei mais so não se teria coragem de escrever tudo que fazo .

Anônimo disse...

Uii delícia! Safadinha! Hihi ^ ^

Elielson Santos disse...

Parabéns, pelos contos, é bom ter algo pra ler, e seus contos estão maravilhosos, continue sempre assim, boa noite ^^

luara pereira disse...

os contos estão otimos,eu adorei ler me exçitei todinha,mais eu não teria coragem de mandar um meu,eu acho que entimidade não é pra ficar se espondo assim.

Andressa disse...

Adorei! Bem excitante os contos...

http://www.anasexshop.com.br

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...


Nossa q delicia gosei loucamente adorei seus contos tenho um fantasia sou casada mais quero trasar com um cara e q meu marido esteje filmando

Anônimo disse...

(Venha cá ANJO DE LUZ eu te INVOCO para que Desenterre FS de onde estiver ou com quem estiver e faça ele ME telefonar ainda hoje, Apaixonado e Arrependido, desenterre tudo que esta impedindo que FS venha para MIM , afaste todas aquelas que tem contribuído para o nosso afastamento e que ele FS não pense mais nas outras… mas somente em MIM. Que ele ME telefone e ME AME. Agradeço por este seu misterioso poder que sempre dá certo. Amém…).


pedro batista disse...

para anônimo; fiquei com tezao em vc, parece ser bem safadinha

Encharcador de calcinhas disse...

Olá, tudo bem com vc? Passando aqui pra falar que eu amei o seu blog e o jeito como escreve gostoso.. Parabéns!
Eu também estou começando um blog e gostaria que vc seguisse ou fizesse apenas uma visita: milgozos.blogspot.com
Acho que vc vai gostar rs
Bjo linda

Gabriel disse...

gostei muito dos contos, fiquei excitado..muito bom

par perfeito disse...

Temos que curtir tranzar e virar os olhos gozar muito pois quem sabe até quando

belo conto parabens

Claudio Elias Do Nascimento disse...

Jesus Cristo Esta Voltando!!!

Maria Caras disse...

Nossa os contos são deliciosos mais o do cunhadinho é um dos melhores da muito tezão parabens
Rio Branco

Anônimo disse...

Belo homem de Brasília, 44 anos, em forma, 1,78 77 kg olhos verves, moro só meu apt em Brasília e busco mulheres reais, verdadeiras bem resolvidas, casadas, solteiras, noivas, gatas Bi que desejem realmente uma amizade segura e saudavel com um homem amante e especializado em sexo total com adoração Oral demorado e Anal profundo carinhoso, se você mulher deseje algo real me acesse whatsapp com fotos reais, (61) 99638-1012

Ganhe clicando